Impunidade institucionalizada

Jayme Modesto

Se conseguissem envergonhar-se com alguma coisa, os ministros do Supremo Tribunal Federal estariam pedindo perdão aos brasileiros em geral.

A mais alta Corte do judiciário do país pôs a sua credibilidade em prova junto ao povo brasileiro e aos demais países do mundo. A decepção pela decisão do Supremo de aceitar os embargos infringentes e, com eles, alongar o julgamento da quadrilha que assaltou o Brasil, e ainda com o risco de crimes graves serem prescritos, e os mensaleiros saírem livres, foi um golpe duro na confiança da Justiça.

Hoje, eu não confio mais no STF, apesar da demonstração de seriedade e integridade dado pelo presidente da entidade Joaquim Barbosa, o governo ardilosamente conseguiu infiltrar neste órgão tão importante e mudar o pensamento de integrantes da Corte que não merecem nenhuma credibilidade e confiança da nação brasileira, e lamentavelmente foi à maioria. Como confiar em um poder que os seus atos vem exatamente de encontro com os anseios da sociedade?

Pelo placar de 5 x 4, os ministros fizeram ouvidos mouco aos apelos das ruas. Por ironia, o voto de minerva que deveria ser do presidente, foi do mais velho. E aí a vitória dos delinquentes! O ministro Celso de Mello decepcionou o povo brasileiro, sua imagem ficará manchada para sempre ao decidir em favor dos mensaleiros.

Isso acabou com a nossa esperança de pelo menos ver alguém punido por corrupção que tanto mal faz ao país, e o esforço de Joaquim Barbosa ir por água abaixo, uma decepção! É o fim para as pessoas de bem neste país, que acreditavam na justiça. Fizeram um verdadeiro alarde, gerando expectativa em um julgamento transmitido pela mídia que não deu em nada, causando decepção ao povo brasileiro, além de abrir um perigoso precedente a qualquer cidadão ter os mesmos direitos dos mensaleiros, ou seja, um novo julgamento.

A atuação dos cinco ministros envergonhou não só o STF, mas toda a justiça brasileira, estes senhores desonraram o tribunal pela troca dos cargos e pelos não independentes votos. O povo brasileiro que tem um mínimo discernimento não esquecerá estas figuras melancólicas. Quem diria que o próprio STF, daria um mau exemplo e um tiro no pé?  O povo não merecia esta decepção.

O que aconteceu foi uma cusparada na cara da nação e causou indignação em milhões e milhões de pessoas de bem que trabalham e pagam suas contas. Cabe à pergunta: será que o crime organizado conseguiu contaminar também o Supremo Tribunal Federal? Foi uma derrota do povo brasileiro contra o crime organizado.

Se não fossem eles, os senhores ministros, portadores da síndrome de Deus, saberia que ninguém tem poder para revogar os fatos e decretar a inexistência do escândalo do mensalão, com isso, à impunidade perpetua e o cinismo de quem não tem compromisso com a verdade se amplia.

Ao meu vê, este é um dos fatos mais graves da história do Poder Judiciário no Brasil e foi noticiado como simples possibilidade de um “novo julgamento” da quadrilha que tenta dar um golpe na democracia brasileira. Isso significa na verdade – a destruição completa do Estado de Direito no país.

Oferecer a esta quadrilha de gatunos federais da Ação Penal 470, a possibilidade de recorrer aos embargos infringentes assemelha-se muito a chamar um médico para examinar um cadáver no necrotério, uma vergonha!

Mas a grande ironia é que o processo que surgiu para punir a compra do Poder Legislativo pelo executivo, demonstrou que ele – executivo – já tem “na mão” também o poder Judiciário.

Triste é perceber que não se faça disso uma oportunidade para avaliar como se forma o quadro do STF. E desgraça maior é não fazer desse fato uma oportunidade para por fim de vez com as indicações políticas para nossa Suprema Corte. O pilar fundamental do Estado de Direito é a independência de seus poderes.

Os brasileiros precisam aprender que o câncer que corrói o organismo político nacional não é a corrupção simplesmente, essa existe em qualquer paragem. É a certeza de que não haverá punição legal. Ao longo destes 11 anos, enquanto cuidaram de promover a ignorância à categoria das virtudes, o governo federal institucionalizou a impunidade dos corruptos e acelerou a decomposição moral do país.

Onde estão os homens de bem da oposição que não se pronunciam contra essa pouca vergonha que estamos presenciando com o STF, tentando absolver essa quadrilha de ladrões do mensalão? Onde estão “Os caras pintadas”? Pobre Brasil!


Compartilhe:

Comentários: