Quem tem telhado de vidro, não atira pedras

Os ânimos continuam acirrados no cenário político serradouradense, os protagonistas das polêmicas, os dois vereadores do PT, que continuam a inflamar a relação com o prefeito Milton Frota, feridas que estão longe de cicatrizar.

Jayme Modesto

É muito comum constatarmos no campo da política regional, que vereadores insatisfeitos com administração municipal, por alguma razão de interesse próprio, costumam tecer criticas e acusações infundadas e sistemáticas ao prefeito desafeto. O problema é que não se dão conta que são mais sujos que “cocheira de pocilga”. E aí vale à máxima: “Macaco olha para o rabo”. Esse tipo de comportamento fez a sabedoria popular cunhar a frase: “Quem tem telhado de vidro, não atira pedras”. Recomenda que antes de julgar alguém, procure fazer uma autoanálise, para não incorrer no risco de ter o seu rabo descoberto por erros insanáveis e até crimes.

Em geral, esse tipo de atitude são características de indivíduos com personalidades narcisistas, que acreditam serem superiores, especiais. Normalmente são pessoas arrogantes, antipáticas, orgulhosas, egoístas, soberbas, frias emocionalmente e que não se importam com os sentimentos alheios. Nunca reconhecem suas próprias imperfeições e por isso mesmo, projetam no outro, os defeitos que pertencem a elas próprias.

Esses ataques funcionam como mecanismo de autodefesa. Uma forma de se protegerem e justificar suas fraquezas. Assim pretendem esconder a verdade sobre si mesmo. Quase sempre são pessoas mal resolvidas.

É muito ruim quando somos vítimas de ataques de pessoas com esse tipo de transtorno de personalidade e somos apontados como portadores dos defeitos que estão impregnados na personalidade do acusador. Todavia, ainda que provoque um sentimento de revolta com a injustiça praticada, devemos compreender a agressão verbal como um distúrbio de personalidade e desfaçatez desses indivíduos.

No legislativo de Serra Dourada em meio a inúmeros parlamentares sérios, comprometidos e responsáveis, existe um número ínfimo de figuras com este perfil egocêntrico e pífias as quais nos referimos. Este comportamento aviltante dos “edis” nas relações políticas, potencializam a manifestação de desconsideração e falta de respeito com o gestor municipal e os interesses individuais se colocam acima do entendimento harmonioso e civilizado como se recomenda.

Importante à reflexão sobre esse ditado popular, porque se o seu telhado é de vidro, também pode ser atingido por pedras maiores das que você atirou contra o telhado alheio.

A edição nº 738 deste jornal na página 02, trouxe um artigo de opinião intitulado “Estremecido o clima entre o prefeito Milton Frota e seu vice,” onde fazíamos uma explanação detalhada do que estava acontecendo em Serra Dourada. Vai daí que, como toda ação corresponde a uma reação, e considerando que esses ingredientes são perfeitamente aceitos quando se entra do campo da política, chegou a nossa redação, um corolário com uma pequena amostra da biografia do vereador “denuncista”. Acreditando os remetentes do pacote, que esta é apenas a ponta do iceberg da ficha dos antecedentes criminais do vereador Edgar Souza Silva, que se julga o paladino da moralidade.

Até então, apenas o vereador Edgar, figura na lista negra da criminalidade como segue: Ação criminal nº 226/2011-2, Delegacia Especial de Atendimento a Mulher por ameaça, agressão e indução ao infanticídio, onde o vereador para se livrar de suas responsabilidades, sugere a sua Concubina a Eutanásia de uma criança recém-nascida, com um agravante, sua própria filha, pelo que foi preso e enquadrado na Lei nº 11.340/06 (Maria da Penha). O “digníssimo” vereador também responde outra ação criminal na Décima Primeira Delegacia de Polícia de nº 2.978/2008-0, por furto de água, energia e sinal telefônico. O processo CNJ 006560-94.2011.8.07.0015, refere se a outra ação de execução fiscal, no Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Também o processo N º 002311-27.2012.8.07.0015, de execução fiscal pelo mesmo tribunal. O processo de execução Nº 0003998-26.2008.8.07.0001, refere-se à empresa do vereador. Outras falcatruas do “digníssimo” vereador se pautam em grilagem e apropriação indébita de terras conforme certidões do cartório de registro de imóveis da cidade de Barreiras do Piauí.

Pelo que consta o “digníssimo” parlamentar, está bastante encrencado e arrumou “sarna para se coçar”.

Ainda segundo informações colhidas de populares em Serra Dourada, o vereador que se considera acima do bem e do mal, numa investida desesperada de tentar confundir a opinião pública e se promover politicamente, usa uma das táticas mais imorais e grosseiras e a qualquer custo parte para o ataque pessoal dirigido contra a primeira Dama da Cidade, fazendo graves acusações, a uma funcionária do Banco do Brasil que tem mais de 27 anos de serviço prestado, competente e prestativa e não havendo nada que desabone a sua conduta.

Ainda não satisfeitos, os inconformados “edis” do PT, voltam a fazer denúncias tendo com alvo a empresa da qual o prefeito Milton Frota é sócio fundador. Uma instituição sólida criada em 1996, que gera mais de mil empregos diretos e indiretos, atuando em todos os municípios da região oeste, processando mais de 170 mil litros de leite dia no ápice da produção, com isso, prejudicando toda uma região que depende da empresa para sobreviver.  Com o agravante de que, o parlamentar formulou a denuncia em nome do poder legislativo, prerrogativa, apenas da mesa diretora.

De acordo com o prefeito Milton Frota, as denúncias representam mais uma investida com objetivo de desestabilizar sua administração. Além disso, afirmou que, nos últimos meses, as investidas contra a administração municipal têm sido permanentes, ácidas e ruidosas.  “São acusações graves e sem comprovação, sabemos quem estar por traz de todo esse jogo de mentiras, que tem como objetivo desmoralizar a gestão e ocupar o meu lugar, é uma tropilha de irresponsáveis e desenformados, não sabem eles que as administrações municipais mudaram, acabou a política do, é dando que se recebe. Estes vereadores não têm qualificação moral para acusar ninguém, é uma tentativa de macular a administração, usam a tribuna para jogar para a plateia e fazer média, com o vice-prefeito mentor intelectual das denúncias”, desabafou Milton.

O prefeito disse ainda, que antes de qualquer coisa, o ônus das provas compete a quem acusa, afirmando que crime mesmo é caluniar e acusar sem qualquer comprovação, apenas movidos pelo ódio e sentimento de vingança por não terem conseguido alcançar seus objetivos na administração.

No início de setembro, o plenário da câmara de vereadores já havia rejeitado por sete votos a dois uma Representação que pedia o afastamento do prefeito Milton Frota, por improbidade administrativa.  A ação tinha como autor, o advogado Afonso Teixeira Dias, segundo informações, o vice-prefeito José Zilmar que faz parte do quarteto estava por traz de tudo.

Um dos principais argumentos dos vereadores que rejeitaram a abertura do processo contra o prefeito Milton Frota, na época, foi que, a ação era de cunho meramente político, usada por um pequeno grupo de insatisfeitos, do mesmo partido do prefeito que inconformado se transformou em oposição sistemática contra o atual gestor.

Conforme a maioria dos vereadores, a denúncia apresentada pelo advogado Afonso Teixeira Dias, não trazia nada de consistência e sem nenhum embasamento legal que comprometesse a administração municipal, ou o próprio prefeito.

“Não posso aceitar que dois vereadores motivados por um irresponsável movido pelo sentimento de vingança, usando de artifícios  e de casuísmo, da perseguição, do cinismo, da cretinice, usam de método artificial criado pela imaginação psicopata para prejudicar o povo de Serra Dourada. Onde reina a força e a honestidade, a mentira não tem lugar”, afirmou Frota, se referindo justamente ao vice-prefeito José Zilmar.

Isto é compreensível, existem políticos que para conseguir manter ou conquistar o poder a qualquer custo, rompem com princípios e amizades que um dia foram verdadeiros e mudam de caráter como se mudassem de roupa, criam faixadas e mentiras fantasiosas.

Com certeza você já ouviu falar naquela expressão quando alguém faz algo maldoso: “Você é maquiavélico!”

Para Maquiavel, a importância da política se consolida na potencialidade de garantir a unidade, a ordem, a segurança e a prosperidade de uma comunidade.

Acho que os métodos de Maquiavel não foram assimilados pelos dois vereadores do PT da câmara de Serra Dourada. A diferença é que o objetivo proposto por Maquiavel, que consiste na unidade política de uma comunidade, em Serra Dourada há uma inversão para uma busca totalmente voltada para o alcance do poder a qualquer custo, ou seja, se para que eu consiga o poder eu preciso fazer coisas más, eu farei, com isso, os fins justificam os meios.

Maquiavel disse ainda, que o político não precisa ser bom, mas apenas parecer bom. Dessa forma as qualidades éticas e morais se tornam simples instrumentos na luta pelo poder e o interesse próprio. Ser estilingue é fácil, o difícil é ser telhado.


Compartilhe:

Comentários: