Aiba busca melhores condições de financiamentos para os agricultores do Oeste da Bahia

ASCOM

Questionar a obrigatoriedade do seguro agrícola nas operações de custeio e solicitar adequações de outras operações financeiras do Banco do Nordeste no Oeste da Bahia.  Estes foram os motivos que levaram o presidente da Aiba, Júlio Cézar Busato, e o vice presidente,  Celestino Zanella, à Salvador, no dia 7 de agosto, para uma reunião com o superintendente do BNB na Bahia, Jorge Antônio Bagdeve.

Sobre a cobrança do seguro agrícola obrigatório nas operações de custeio, o presidente da Aiba argumentou que, este tipo de seguro, não atende as necessidades dos produtores, uma vez que o custo é elevado e os valores, em caso de perda de safra, são muito baixos, não assegurando o ganho do produtor. “Nos Estados Unidos, o governo arca com uma taxa de subvenção deste seguro e garante o ganho do produtor. Da maneira como este seguro se apresenta no Brasil, torna-se inviável.”, afirmou Busato.

Considerando as características da agricultura praticada no cerrado baiano, com alto nível de mecanização, e a opinião de produtores rurais e agrônomos que vivem na região, foi elaborado um documento com uma série de outras adequações. Entre elas está a necessidade de ampliação de crédito para custeio agrícola; ajustar a metodologia de avaliação às especificidades das propriedades rurais do Oeste baiano; dispensa de contratação do seguro safra; desenvolvimento de estudos técnicos entre Aiba e BNB para maximização da alocação dos recursos do FNE e criação de novos programas específicos de fomento à agricultura de sequeiro e irrigada, integrados à agroindústria.

 O superintendente do BNB, Jorge Antônio Bangdeve, informou que apresentará as necessidades do Oeste da Bahia ao presidente do BNB, Ary Lanzarin, com quem se reunirá nesta sexta-feira (9). Na semana seguinte a esta reunião, Bagdeve estará com o conselho do Banco e tambem apresentará o problema.

Articulação – A luta por melhores condições para operações financeiras vem sendo buscada pela Aiba há alguns meses. Primeiro, foi realizada uma reunião entre a diretoria da Associação e os gerentes do BNB de Barreiras, Luís Eduardo Magalhães e Correntina. No âmbito federal, o presidente da Aiba e o conselheiro técnico da Associação, o economista Raimundo Santos, estiveram  com o ministro da Agricultura, Antônio Andrade, que através do secretario de Politicas Agrícolas, Nery Gueller,  afirmou que não se aplica a cobrança do seguro agrícola obrigatório nas operações de custeio e que disponibilizará meios legais para que o BNB possa alterar a normativa interna que estava seguindo.


Compartilhe:

Comentários: