Candidato à Presidência, Eduardo Campos, morre em acidente de avião

campos72Gabriela Flores
O candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, morreu aos 49 anos em um acidente com um avião por volta das 10h desta quarta-feira (13) em Santos, a 72 km de São Paulo. A assessoria confirmou a presença do candidato no jato modelo Cessna 560XL, prefixo PR-AFA, que vinha do Rio de Janeiro e tinha sete pessoas a bordo. O Corpo de Bombeiros confirmou que não há sobreviventes da aeronave.

Chovia e ventava no momento do acidente. O jato caiu entre as ruas Alexandre Herculano e Vahia de Abreu, no bairro do Boqueirão, na zona leste de Santos. Segundo o deputado Márcio França (PSB-SP), que receberia o candidato no litoral de São Paulo, três pessoas da região atingida pela aeronave foram encaminhadas a hospitais.

De acordo com a Infraero, morreram, além de Campos, os pilotos Geraldo Cunha e Marcos Martins, o assessor de imprensa Carlos Augusto Leal Filho, o fotógrafo Alexandre Gomes e Silva e ainda Pedro Valadares Neto e Marcelo Lira.

A candidata à vice, Marina Silva, não estava na aeronave. A ex-ministra do Meio Ambiente embarcaria com Campos no Rio, mas acabou viajando para São Paulo com assessores em um avião de carreira.

campos7

Aeronave caiu em área habitacional / Foto: G1

Trajetória de Campos
Eduardo Henrique Accioly Campos era casado e tinha cinco filhos. Ele era formado em economia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Campos teve uma carreira de sucesso na política pernambucana, chegou a ser ministro e tentava a Presidência da República. Começou a militância política como presidente do Diretório Acadêmico da Faculdade de Economia da UFPE.

Em 1986, participou ativamente da campanha que elegeu Miguel Arraes, seu avô – morto há exatamente nove anos -, para o Governo de Pernambuco. Ele entrou no PSB em 1990 quando foi eleito deputado estadual. Quatro anos depois, chegou ao Congresso Nacional, mas não chegou a assumir, ficando no Estado nos cargos de Secretário da Fazenda entre 1995 e 1998.

Ainda em 1998, voltou a vencer a disputa para Câmara, sendo o mais votado do Estado (173 mil votos). Em 2002, fez campanha para o então candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva. No Congresso, Eduardo Campos destacou-se como articulador do governo Lula. No ano seguinte, tomou posse como ministro de Ciência e Tecnologia..

Em 2005, Eduardo Campos assumiu a presidência nacional do PSB, onde permanecia até o acidente desta quarta-feira (13). Em 2006, numa disputa acirrada, venceu a eleição para o Governo de Pernambuco. Em 2010, disputou a reeleição e obteve a vitória no primeiro turno com mais de 82% dos votos válidos.

*O Jornal Gazeta do Oeste lamenta a morte de Eduardo Campos, que era considerado uma esperança para o Brasil.


Compartilhe:

Comentários: