Entidades que tiveram seus projetos aprovados pelo Fundesis assinam o convênio de cooperação

Os projetos aprovados abrangem as áreas social, esportiva, educacional, cultural, saúde e emprego e renda

IMG_5197texto

Cheilla Gobi

Criado em 2006, o Fundo para o Desenvolvimento Integrado e Sustentável da Bahia (Fundesis), tem ajudado a promover a inclusão social e a melhoria da qualidade de vida em comunidades carentes do Oeste da Bahia, através do financiamento de projetos de organizações da sociedade civil. Nesta segunda-feira (05), foi a vez de representantes de mais 16 entidades que tiveram seus projetos aprovados, assinar o convênio de cooperação, que somam um total de R$ 587 mil, durante uma solenidade realizada na sede da Aiba em Barreiras.

Na ocasião, marcaram presença no ato de assinatura, o presidente da Aiba, Júlio Cézar Busato; do presidente da Abapa, Celestino Zanellaa coordenadora do Fundesis, Makena Thomé; o gerente regional do Banco do Nordeste de Luís Eduardo Magalhães, Francisco Silva e gestores das entidades, entre eles o bispo da diocese de Barreiras, Dom Josafá Meneses.

Os projetos aprovados abrangem as áreas social, esportiva, educacional, cultural, saúde e emprego e renda e vão contemplar oito municípios da região. Em Barreiras foram beneficiados, a Associação Impacto Karatê, Casa de Reintegração Social Nova Vida, Projetos Cata-ventos, Abrigo dos Idosos, Instituto Caturama de Sustentabilidade, Instituto Parceiros da Educação pela Vida e o Lar Esperança. Em Luís Eduardo Magalhães, o Instituto Recicla Social,  Desenvolvimento Cultural Recicla e Lions Clube Mimoso do Oeste. No município de Baianópolis, o Clube Social Cascudeiro do Oeste na Zona Rural. Em São Desidério, a Associação da Melhor Idade Padre Jacy. Riachão das Neves, a Escolinha Gol de Placa. Em Correntina, o Abrigo dos Idosos Irmã Zélia. Em Santa Maria da Vitória foram contemplados o Grupo Espírita União e Amor e também a APAE. Em Bom Jesus da Lapa, a Casa de Passagem Aloísio Tanajura.

Em nove anos de existência, o Fundesis investiu cerca de R$ 4 milhões em 63 projetos de 38 instituições, sem fins lucrativos, em dez municípios da região. A captação de recursos ao Fundesis advém de operações de crédito rural de custeio e investimentos dos produtores representados pela Aiba junto ao BNB, que reduz parte de suas tarifas bancárias e direciona para o Fundesis. Também fazem doações pessoas físicas, jurídicas e cooperativas.

“O Fundesis é uma família, e o apoio recebido tem sido fundamental”, disse a gestora do Instituto Recicla de Luís Eduardo Magalhães, Adriana Mota.

IMG_5173O Instituto Recicla que já foi beneficiado pelo Fundesis em 2008 e 2013, agora está novamente na lista. De acordo com a gestora até o final do ano será entregue a comunidade, uma sede do Instituto -, uma obra 100% financiada pelo Fundesis. “Sem essa ajuda não alcançaríamos nossas metas”, agradeceu Adriana.

Para o presidente da Aiba, Júlio Busato, esta é uma forma inteligente de fazer a função social. “Foram mais de 50 mil pessoas beneficiadas e o grande sucesso é que todas as entidades atendidas continuam funcionando, cumprindo com seus objetivos e o segredo deste sucesso não está na Aiba, nós apenas damos as ferramentas, a obra e equipamentos. O segredo está nas pessoas que doam seu tempo, seu trabalho e muitos dão até mesmo a vida, mostrando que neste mundo individualista em que vivemos, ainda há esperança. No entanto, exemplos como o do Fundesis devem ser copiados e multiplicados”, frisou Busato.

Como funciona

IMG_5176Todos os projetos inscritos para os editais do Fundesis são avaliados e escolhidos por um grupo de conselheiros formado por agricultores, associados da Aiba e representantes do Banco do Nordeste, parceiros fundamentais para o sucesso deste trabalho.

O gerente regional do Banco do Nordeste de Luís Eduardo Magalhães, Francisco Silva falou da seriedade do projeto garantindo continuidade da parceria. “As contribuições são voluntárias. São doações de pessoas físicas, jurídicas de repasses de cooperativas, contribuição voluntária dos clientes do Banco do Nordeste e também associados da Aiba. Essa é uma realidade cumprida no Oeste da Bahia”, garantiu.

De acordo com a coordenadora do Fundesis, Makena Thomé, mesmo sendo recursos voluntários, é preciso atender as normas do terceiro setor. “Precisamos nos espelhar nas normativas federais e estaduais, apresentar um trabalho transparente”.

IMG_5190Além dos recursos doados serem acompanhados, os gestores das entidades contempladas, passam por uma série de capacitações, para aprender a gerir os recursos financeiros. E esse trabalho, ficou ainda mais forte com a chegada do Sebrae.

“O Sebrae quando convidado para integrar este processo, já entendíamos que seria um desafio muito grande. Tivemos a ousadia de não só trabalhar a capacitação sobre formação de projetos e controles financeiros, mas também sobre formação de lideranças”, frisou o gerente regional do Sebrae, Emerson Cardoso.

A gestora da Casa de Passagem Aloísio Tanajura, Regina Tanajura, e o bispo diocesano de Barreiras, Dom Josafá de Menezes da Silva, foram os primeiros a assinarem os convênios, sendo seguidos pelos demais.

Quem se interessar em ser doador do Fundesis, o processo é muito simples. Se for agricultor, pode aderir ao Fundesis pessoalmente ou por meio de suas cooperativas. É só manifestar interesse ao gerente de negócios do BNB e a doação será feita. No caso de pessoa física ou jurídica, é só ir a Aiba e procurar a coordenadora do Fundesis, Makena Thomé, que dará todas as orientações para depósito.

IMG_5205

 


Compartilhe:

Comentários: