Jornada Pedagógica em Buritirama planeja ações educacionais para 2015

A020te

Reinaldo Rolon

Com o tema: “O Fazer pedagógico de excelência que prepara para a vida”, o município de Buritirama realizou de 04 a 06 de fevereiro, a Jornada Pedagógica, para gestores e coordenadores escolares. O evento organizado pela Prefeitura, através da Secretaria Municipal da Educação, foi realizado nas dependências da Escola Municipal, Professor Carlos Ivan de Souza. Gestores e Coordenadores Escolares discutiram os diversos temas que serão abordados durante todo o ano.

De acordo com o secretário de Educação Geraldo Da Cruz Jr, a ideia é trocar informações com o objetivo de preparar e implantar durante o ano letivo, ações de excelência e qualidade, que contribuirão para o desenvolvimento educacional dos alunos. Falou ainda sobre a redução do orçamento imposto pelo governo. “Os efeitos serão sentidos na aplicação dos recursos, com isso, apenas prioridades serão executadas, contratações de recursos humanos estão totalmente suspensas”, alertou secretário.

O prefeito Arival Viana, reforçou sobre o alto índice de evasão escolar, provocado pelo êxodo rural. “Muitos adolescentes abandonam a escola, para trabalhar em outras capitais e contribuir na renda familiar. A consequência da evasão escolar e da redução dos recursos poderá ocasionar a extinção de cargos de professores até o fechamento de algumas escolas”, lamentou o prefeito. “.

Conforme o prefeito, este fato provoca diminuição dos repasses do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que distribui os recursos com base no número de alunos da educação básica, de acordo com dados do último Censo Escolar.

A001texto

“Brasil, pátria educadora”

Para o governo municipal de Buritirama, o lema anunciado para a educação, pela Presidente Dilma Rousseff, durante sua posse, “BRASIL, PÁTRIA EDUCADORA”, não passou de uma fantasia.

Antes da aprovação do orçamento de 2015, a pasta da educação poderia gastar R$ 1,761 bilhão por mês. Com as novas contas, o valor cai para R$ 1,174 bilhão, o que no fim do ano resultará em um corte de despesas de mais de R$ 7 bilhões para o Ministério, prejudicando a educação em todo o País.

O Brasil segue destoando dos países desenvolvidos, membros da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que investem três vezes mais no ensino de alunos de 6 a 15 anos em relação ao Brasil, de acordo com relatório do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos).


Compartilhe:

Comentários: