7 trabalhadores se acidentam por dia no país e a Bahia lidera o número de casos

Devido a uma queda no escritório onde trabalha o contador Antônio Marcos Savala, 37 anos, fraturou o punho e permanece em casa. “Não foi nada muito grave, mas poderia ter sido algo pior”. Assim como aconteceu com ele, diariamente 7 pessoas sofrem acidentes de trabalho por dia, em todo Brasil.

Assim como no resto do país, o setor da Construção Civil apresenta o maior índice de acidentes na Bahia. Dados do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção e da Madeira do Estado da Bahia (Sintracom), somente neste primeiro semestre 71 acidentes e cinco mortes foram registradas.

Segundo dados da Inspeção em Segurança e Saúde no Trabalho do Ministério de Trabalho e Emprego (MTE), de janeiro a junho deste ano, foram analisados 1.267 acidentes em todo o país, o que corresponde a uma média de 7,038 acidentes por dia. Destes, 313 ocorreram no setor da Construção, seguido de 178 na indústria de metal e 173 no comércio.

Na liderança

Em 2012, a Bahia liderou o ranking dos estados com maior número de acidentes de trabalho. Ao todo, foram 23.934 ocorrências registradas, segundo o último Relatório Anual de Informações Sociais, divulgado pelo MTE, com base nos dados de 2010. No mesmo ano, 119 mortes foram contabilizadas, o que fez o estado ser líder, também, em ocorrências fatais no trabalho.

De acordo com Arilson Ferreira, diretor de Segurança e Saúde do Sintracom, das cinco mortes contabilizadas este ano pelo sindicato, três foram motivadas por falta de proteção coletiva de trabalho. “Falta investimento dos empresários em segurança e saúde do trabalhador. Infelizmente, eles visam somente o próprio lucro e benefício. Enquanto não mudarem essa visão, saúde e segurança não ficarão em primeiro lugar”, lamente o sindicalista. O número de óbitos este semestre ultrapassa o número do ano passado, quando a Bahia contabilizou quatro óbitos. Já em 2011, com a morte de nove operários que despencaram de um elevador a cabo na Av. ACM, houve um total de 17 mortes.

No dia 27 de abril, entrou em vigor a Norma Regulamentadora nº 35 (NR-35), que trata sobre trabalho em altura e define os requisitos e medidas de proteção para os trabalhadores que atuam nessas condições. Com a publicação,  passaram a ser obrigatórios os treinamentos  que devem ser ministrados para os trabalhadores.

A principal obrigação do empregador prevista na NR-35 é de implementar em sua empresa a gestão do trabalho em altura, envolvendo o planejamento e a adoção de medidas técnicas para evitar a ocorrência ou minimizar as consequências das quedas de altura.

Ainda de acordo com Ferreira, o próximo objetivo é a aprovação da NR-18, que visa saúde e segurança para os trabalhadores da construção civil, além de proteções coletivas. “O projeto é do vereador Everaldo Augusto. Se conseguirmos isso, será uma vitória”, destacou.

Fonte: Tribuna da Bahia

Imagem: Ilustração


Compartilhe:

Comentários: