82% das vagas do Sisutec são oferecidas por instituições privadas

Das 239 mil vagas, 197 mil são para cursos oferecidos na rede privada.
As vagas remanescentes serão preenchidas sem exigência do Enem.

Site do Sisutec, que seleciona alunos para cursos técnicos em todo o Brasil (Foto: Reprodução/MEC)Quase 200 mil das 239 mil vagas oferecidas nesta edição do Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec) estão em instituições privadas. Juntas, as instituições de ensino superior e as escolas técnicas particulares somam 197.343 vagas no processo seletivo lançado pelo Ministério da Educação na segunda-feira (5), o equivalente a 82% das 239.792.

O restante é oferecido pelos institutos técnicos e universidades federais, as escolas técnicas estaduais e municipais (no total, são 24.518 vagas na rede pública) e o Sistema S de ensino, que oferece 17.931 vagas. As inscrições devem ser feitas pelo site do Sisutec até segunda-feira (12). Até as 19h de quinta-feira (8), mais de 217 mil candidatos estavam inscritos.

Em entrevista ao G1, o secretário nacional de Educação Profissional e Tecnológica, Marco Antonio de Oliveira, explicou que a meta do governo é ofertar, em 2013, 724,5 mil vagas em cursos técnicos (entre cursos presenciais e a distância), e que o Sisutec tem como objetivo “a inclusão da oferta de cursos técnicos subsequentes no Pronatec [Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego]”.

O ensino técnico de nível médio, segundo ele, tem três modalidades: a integrada ao ensino médio, a concomitante, que o estudante de ensino médio cursa no contraturno da escola regular, e a subsequente, que são cursos mais longos e exigem maior escolaridade. Todos os cursos ofertados pelo Sisutec são da categoria subsequente e exigem que os candidatos já tenham concluído o ensino médio. Já as vagas no ensino técnico de nível superior não participam do Sisutec, porque são oferecidas nas duas edições anuais do Sisu.

“Esperamos que na próxima edicação do Sisutec também se amplie a participação das demais redes ofertantes, inclusive do sistema S”, disse Oliveira.

O Pronatec foi criado em outubro de 2011 para incentivar a expansão da rede de ensino técnico no país. Em dezembro do ano passado, o governo federal publicou uma medida provisória, que no primeiro semestre de 2013 foi convertida em lei, para estender o programa à rede privada. Antes de receber a autorização para ofertar vagas pelo Pronatec, as instituições particulares são avaliadas de acordo com os indicadores do MEC e em visitas de comissões de professores das instituições federais. Além disso, a autorização está limitada de acordo com as áreas nas quais elas já atuam.

Apesar de a maioria das vagas serem oferecidas na rede privada, elas não serão pagas pelos candidatos que forem selecionados e fizerem a matrícula. “A instituição será remunerada pelo MEC mediante matrícula no Sistec [Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica] e comprovação mensal do comparecimento em aula”, afirmou.

A supervisão da frequência do aluno é feita tanto pela instituição quanto pelo próprio aluno, explicou ele. No ato da matrícula, o estudante recebe um login no sistema e, todos os meses, ele deve confirmar os dados sobre sua frequência inseridos no Sistec pela instituição. Só assim ela será remunerada pelo ministério. “Com isso a gente assegura o desembolso mediante a presença efetiva do aluno e coíbe a evasão, porque quanto mais aluno, menor será a remuneração relativa dela.” Essa remuneração, de acordo com ele, é feita segundo uma pesquisa do preço de mercado.

Já as vagas nas instituições públicas e do Sistema S são pagas pelo governo com um custo fixo. Alguns alunos, segundo Oliveira, também recebem auxílio para transporte e alimentação.

Perfil parcial dos inscritos
Segundo dados parciais levantados pelo MEC, a maioria das pessoas que se inscreveu até a tarde de quinta-feira no Sisutec são mulheres (56,36%). Além disso, apesar de a Região Sudeste ser a que mais tem vagas na primeira edição do sistema, é a Região Nordeste que tinha a maior quantidade de inscritos.

Os dez cursos mais procurados pelos estudantes eram os de técnico em segurança do trabalho, informática, enfermagem, logística, radiologia, edificações, redes de computadores, análises clínicas, eletrotécnica e meio ambiente.

Os cursos de técnico em segurança do trabalho receberam, até a noite desta quinta, 51.724 inscrições para as 13.371 vagas ofertadas, o que representa uma concorrência de 3,87 candidatos por vaga.

Os cursos de técnico em informática, que estão em segundo na lista de mais procurados, são os que mais oferecem vagas nesta edição do Sisutec: 23.292. Até o último balanço do ministério, 39.319 candidatos haviam manifestado interesse em concorrer às vagas, uma relação de 1,69 pessoas por vaga.

Vagas remanescentes
O secretário Marco Antonio afirmou ainda que as vagas não preenchidas durante o processo seletivo de agosto serão distribuídas diretamente pelo Pronatec. De acordo com o secretário nacional de Educação Profissional e Tecnológica, Marco Antonio de Oliveira, nesse caso, ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2012 não será requisito para participar.

Ele afirmou que a decisão de usar o Enem 2012 como base para selecionar os estudantes dos cursos técnicos foi justificada porque, no ano passado, mais de 4 milhões de pessoas fizeram a prova, mas nem todas ingressaram no ensino superior por meio dos programas do governo federal: o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), o Programa Universidade para Todos (Prouni) e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Além disso, segundo ele, os censos do MEC mais recente mostram que há 7,6 milhões de jovens que terminaram o ensino médio, mas não ingressaram no ensino superior. Ele também citou um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) que estima que, atualmente, há uma demanda de mais de 7 milhões de profissionais da área técnica.

“A ideia é que tenha oferta qualificada de cursos em áreas que são mais complexas, mais demandas e comprovadamente têm carência de técnicos, esse foi o princípio”, explicou Oliveira.

As inscrições terminam às 23h50 da próxima segunda-feira (12) e cada candidato pode fazer duas opções de cursos. Para a seleção, o MEC usará a nota do estudante no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2012. Quem cursou o ensino médio completo em escola pública (ou em escola particular com bolsa integral) terá prioridade na ocupação de 85% das vagas oferecidas.

O resultado da primeira das duas chamadas será divulgado no próximo dia 14 de agosto. A matrícula deve ser feita nos dias 15 e 16. O resultado da segunda convocação está previsto para o dia 19, com matrícula no dia 20. O processo seletivo será aberto duas vezes por ano, como no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que seleciona estudantes para o ensino superior.

Fonte: G1


Compartilhe:

Comentários: