Aplicativo brasileiro ajuda pessoas com deficiência na fala a se comunicar

A solução surgiu a partir do amor de um pai pela filha com paralisia cerebral

O Livox, aplicativo que dá autonomia na fala a pessoas com deficiências, representará o Brasil na Reunião Anual dos Governadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que ocorrerá na Coreia do Sul entre essa quinta-feira (26/3) e o próximo domingo (29).

A solução, que surgiu a partir do amor de um pai pela filha com paralisia cerebral, foi eleita recentemente como o Melhor Aplicativo de Inclusão Social do Mundo pela Organização das Nações Unidas (ONU).

O presidente do BID, Luis Alberto Moreno, conversará com Carlos Edmar Pereira, criador do software, sobre a trajetória do Livox, o que inclui os desafios enfrentados para a inserção da ferramenta no Brasil e a perspectiva de expansão para o mercado internacional, com destaque para a América Latina e o Caribe.

O bate-papo terá a interação de representantes dos 48 países membros do BID que estarão no encontro, compostos por Ministros das Finanças, Presidentes de Bancos Centrais e seus assessores, além de negociadores e potenciais investidores privados. De lá, o empreendedor social segue para Tóquio, no Japão, onde se reunirá com empresários intermediados pelo BID.

A participação ocorrerá logo após o Livox ter sido eleito como A Inovação Tecnológica com Maior Impacto de 2014, no Demand Solutions, em Washington, em dezembro de 2014, evento este organizado pelo BID em parceria com o Blum Center da Universidade Berkeley, dos Estados Unidos.

Foram 200 startups de 22 países na disputa, que contou com um júri de especialistas em empreendedorismo, inovação, financiamento coletivo e outras áreas.

Amor de pai

Fundado há quatro anos no Recife (PE), o Livox (Liberdade em Voz Alta) permite que pessoas com qualquer tipo de deficiência que impeça o processo da fala, como autismo, paralisia cerebral ou sequelas de AVC, tenham autonomia na comunicação.

O aplicativo foi desenvolvido por Carlos Pereira especialmente para a sua filha Clara Pereira, atualmente com 7 anos de idade, vítima de paralisia cerebral decorrente de complicações durante o parto.

O Livox é baseado em algoritmos inteligentes que se ajustam a vários graus de dificuldades motora, visual e cognitiva.

Os usuários podem relatar emoções, indicar exatamente o que querem comer; selecionar desenhos, filmes, jogos, músicas que desejam assistir e escutar; ajuda a aprender a ler e a estudar conceitos complexos como matemática; interagir rapidamente em perguntas cujas respostas sejam sim ou não; entre outras coisas.

As atividades são ativadas pela seleção de figuras, textos e vídeos em tablet com o aplicativo instalado e as respostas são geradas por comando e voz.

Antes de criar a ferramenta, Pereira pediu auxílio a desenvolvedores internacionais, mas não conseguiu, para criar uma solução em português que promovesse autonomia à Clara, primeira paciente brasileira a fazer tratamento com células troncos, em 2009, na China.

Desde então, o analista de sistemas conseguiu apoio de investidores estrangeiros e implantou uma clínica de fisioterapia no Recife (PE), onde reside e da qual ainda é diretor, para tratar sua filha. “Eles enviaram um contêiner com 2,5 toneladas de equipamentos médicos e eu precisei alugar um local, reformá-lo e contratar pessoas para fazer a clínica funcionar”, lembra Pereira.

A decisão de criar o Livox atendeu a uma necessidade de superar as dificuldades de comunicação de Clara. Antes, a comunicação com a menina era feita pelos pais por meio de um catálogo de “falas”, ditas em voz alta quando selecionadas pela menina.

Atualmente, a solução atende a 10 mil usuários, dentre famílias e instituições de assistência brasileiras, como a APAE, e é o objeto de estudo científico na área de cabeça e pescoço e na UTI do Hospital das Clínicas, em São Paulo, o maior da América Latina.

Reconhecimento da ONU

No mês passado, o Livox foi eleito o Melhor Aplicativo de Inclusão Social do Mundo no World Summit Award (WSA), em premiação realizada em Abu Dhabi e organizada pela ONU.

Criado em 2003, em cooperação com a Cúpula Mundial sobre a Sociedade da Informação (CMSI), o WSA reconhece os projetos mais inovadores para dispositivos móveis em várias áreas.

Os critérios adotados pelos jurados para a escolha dos vencedores levaram em conta a relevância e a originalidade da ideia, a funcionalidade e a acessibilidade que o projeto traz para a sociedade.

“O WSA é considerado o Nobel das tecnologias móveis. Fomos premiados dentre 20 mil aplicativos de todo o mundo”, afirma orgulhoso o analista de sistemas.

Fonte: Tribuna da Bahia


Compartilhe:

Comentários: