Cigarro é mais viciante que cocaína, aponta relatório

Relatório mostra que está mais fácil tornar-se dependente de cigarro do que de cocaína e de heroína

http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/sites/_agenciabrasil/files/imagecache/300x225/gallery_assist/24/gallery_assist696124/prev/AgenciaBrasil310512_ABR9448.JPGRelatório preparado pela organização de controle do tabagismo Campanha Crianças Livres do Tabaco (CTFK), lançado ontem no Brasil, mostra que está mais fácil tornar-se dependente de cigarro do que de cocaína e de heroína. A mudança, afirma o documento, é resultado de estratégia adotada pelas companhias.

Ao longo dos últimos 50 anos, os produtos passaram a apresentar um teor maior de nicotina, tiveram a inclusão em sua fórmula de amônia e açúcares, que aumentam seu efeito e tornam a fumaça mais fácil de ser inalada. O próprio formato do cigarro mudou: produtos passaram a trazer filtros com pequenos orifícios, muitas vezes imperceptíveis, que levam o fumante a aumentar o volume e a velocidade de aspiração.

Documentos reunidos no relatório mostram que os teores de nicotina dos cigarros aumentaram 14,5% entre 1999 e 2011. Pesquisadores afirmam que a amônia acrescentada ao tabaco aumenta a velocidade com que a nicotina chega ao cérebro, o que torna a sensação de prazer mais rápida e mais intensa.

De acordo com o trabalho, apesar de fumarem menos, tanto homens quanto mulheres têm um risco muito maior de desenvolver câncer de pulmão e doença pulmonar obstrutiva crônica do que em 1964, quando foi divulgado o primeiro relatório produzido pelo governo americano sobre o impacto do tabagismo na saúde.

O órgão criticou a suspensão no Brasil da resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que proibia a adição de produtos que conferissem sabor para os cigarros.

Fonte: Correio da Bahia


Compartilhe:

Comentários: