Dossiê do ISP mostra os crimes mais cometidos contra mulheres em 2014

Estupro, ameaça e lesão corporal estão no topo da lista.
Balanço completo será divulgado na manhã desta quinta-feira (30).

O Instituto de Segurança Pública (ISP) divulga nesta quinta-feira (30) o Dossiê Mulher, um estudo que mostra quais tipos de crimes mais foram cometidos contra mulheres em 2014. De acordo com o primeiro balanço, os crimes mais comuns são estupro, ameaça e lesão corporal dolosa. As informações são do Bom Dia Rio.

Crimes como lesão corporal dolosa e estupro tiveram uma pequena redução, enquanto o de ameaça aumentou. Em pelo menos um deles (lesão corporal dolosa), a maioria das vítimas foram alvo de violência doméstica ou familiar.

Os dados do Instituto de Segurança Pública são feitos com base nos registros feitos pela Polícia Civil. O Dossiê Mulher mostra também que a maioria das agressões acontece dentro de casa e é feita pelo companheiro ou por alguém do convívio familiar. Para o relatório, foram selecionados 11 delitos para análise de acordo com a gravidade dos crimes.

O documento mostrou também que desde a criação da Lei Maria da Penha as mulheres estão mais informadas e têm registrado com mais frequência as ocorrências de violência.

Estupro
Dos 5.676 crimes registrados, 83,2% tiveram como vítimas pessoas do sexo feminino (4.725). Quase metade das vítimas (45,5%) são considerados “estupro de vulnerável”, ou seja, é contra pessoas entre 0 e 13 anos de idade. Em relação a 2013, houve uma redução de 3% de casos.

Homicídio doloso
Os casos de mulheres assassinadas, no entanto, subiu para 420, o que equivale a um aumento de 8,5%. Delas, 12,4% morreram em situação de violência doméstica ou familiar.

Ameaça
O crime de ameaça também aumentou em 2014, em relação ao ano anterior. Foram 57.258 ameaças, o que equivale a um número 3,7% maior. Delas, 48,6% foram ameaçadas pelo companheiro ou pelo ex-companheiro.

Lesão corporal dolosa
O registro de crimes deste tipo caiu 0,6% entre 2013 e 2014. Foram 56.031 mulheres vitimizadas no ano passado. O número de vítimas de violência doméstica ou familiar é ainda maior: 60,5%.

Fonte: G1


Compartilhe:

Comentários: