Embasa conclui obra de nova tubulação em adutora e religa água para testes

Empresa diz que regularização do fornecimento de água nos bairros vai ocorrer nas próximas 48horas

Os técnicos e operários da Embasa concluíram na manhã desta terça-feira (7) o trecho alternativo de dutos, que faz o desvio do ponto onde houve o rompimento na última quarta-feira (1º). Segundo a Embasa, a água foi religada e a tubulação está funcionando em fase de testes, mas ainda não está com carga total.

A previsão é de que o abastecimento de água seja completamente restabelecido a partir das 12h, caso não haja imprevistos. Em nota pública à população, a Embasa afirma que o regularização do fornecimento de água nos bairros afetados se dará de forma gradativa nas próximas 48 horas. Não há ainda prazo para realizar a regularização completa dos bairros afetados.

35% da população de Salvador está sem água há sete dias, mas os bairros que correm o risco de ficar sem água chega a 60%.  No entanto, segundo o  presidente da Embasa, Rogério Cedraz, é possível que alguns setores mais críticos ainda sofram com a falta de água até quinta-feira (9). “Para esses, a gente vai continuar levando os caminhões-pipa”, disse. Segundo ele, há pelo menos 35 caminhões sendo utilizados para distribuir água na cidade. Eles são abastecidos nas estações da Bolandeira e de Candeias, mesmos locais que a Embasa utiliza para abastecer a cidade.

O Ministério Público disse ter enviado um ofício à empresa solicitando detalhes sobre o acidente, como causas, interrupções e soluções apresentadas.

Segundo Cedraz, técnicos da própria Embasa farão uma investigação sobre o acidente, depois de solucionado o problema do abastecimento. “Toda a equipe da Embasa e da CCR, nesses últimos dias, tem trabalhado quase 24 horas na resolução do problema”, declarou.

Ontem o prefeito da capital, ACM Neto (DEM), cobrou da Embasa e da CCR Metrô Bahia uma solução rápida para a crise, e se solidarizou com a população. Carros-pipa que prestam serviço à prefeitura foram colocados à disposição. “Fatalidades podem acontecer, mas, depois de cinco dias, é inadmissível que a CCR e a Embasa não tenham tido capacidade para produzir uma solução”, queixou-se.

O presidente da Embasa, Rogério Cedraz, pediu desculpas à população. “Uma grande estrutura foi montada para que a gente pudesse conseguir uma solução. A gente pede desculpas à população, porque sabe que cinco dias sem água é bastante complicado, mas o problema que nós tivemos foi muito complexo, porque envolvia até riscos”, disse.

Fonte: iBahia


Compartilhe:

Comentários: