Emprego na indústria recua pelo quinto mês seguido, indica IBGE

Principal impacto negativo sobre o indicador partiu da Região Nordeste.
Em setembro, atividade fabril teve leve alta de 0,7%.

O emprego na indústria brasileira recuou 0,4% em setembro, na comparação com o mês anterior, na série livre de influências sazonais, segundo levantamento divulgado nesta terça-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa foi a quinta queda seguida nesse tipo de comparação.

No ano – de janeiro a setembro, o índice acumula recuo de 0,9% e, em 12 meses, de 1%. Na comparação com o mesmo período de 2012, baixa de 1,4%. Em setembro, aprodução da indústria brasileira subiu 0,7%.

Em relação a setembro de 2012, o número de trabalhadores caiu em 12 dos 14 locais pesquisados pelo IBGE. O principal impacto negativo sobre o indicador partiu da Região Nordeste (-6,3%), que teve influência negativa da redução de funcionários do setor de alimentos e bebidas (-10%), calçados e couro (-8,0%) e vestuário (-4,5%), entre outros.

Outros destaques negativos partiram de São Paulo (-0,8%), da Bahia (-6,4%), dePernambuco (-6,5%), do Rio Grande do Sul(-1,4%) e de Minas Gerais (-1,2%).

Na análise por setor, o total do pessoal ocupado assalariado recuou em 14 dos 18 ramos pesquisados. As pressões negativas vieram de máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-5,7%), produtos de metal (-4,3%), calçados e couro (-4,7%), produtos têxteis (-4,2%) e máquinas e equipamentos (-2,2%), entre outros.

Na contramão, as principais influências positivas sobre a média da indústria foram observados nos setores de borracha e plástico (4,8%), meios de transporte (0,9%) e produtos químicos (1,4%).De janeiro a setembro, o emprego industrial, que mostrou queda de 0,9%, manteve a mesma tendência em 11 dos 14 locais e em 11 dos 18 setores, com destaques para a região Nordeste (-4,6%) e para os setores de calçados e couro (-5,3%) e vestuário (-3,1%), entre outros.

Na contramão, entre os que tiveram resultados positivos estão Santa Catarina (1,0%) e Paraná(0,5%). Quanto aos setores, os de alimentos e bebidas (1,5%) e de borracha e plástico (3,1%) registraram as principais influências positivas.

Número de horas pagas e salários

O número de horas pagas aos trabalhadores da indústria caiu 0,6% em relação ao mês anterior, a quinta taxa negativa consecutiva, acumulando nesse período perda de 2,8%. Na comparação anual, o número de horas pagas recuou 1,5%, quarto resultado negativo seguido.

Nas comparações contra iguais períodos do ano anterior, o total do número de horas pagas recuou tanto no fechamento do terceiro trimestre de 2013 (-1,2%), como no índice acumulado dos nove meses do ano (-1,0%). No acumulado nos últimos 12 meses, o índice recuou 1,0%.

Onúmero de horas pagas caiu 1,5% frente a setembro de 2012, com taxas negativas em dez dos 14 locais e em 14 dos 18 ramos.

Em setembro, o valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria ajustado sazonalmente subiu 1,6% sobre o mês anterior, com destaque para a alta de 8,5% registrada pelo setor extrativo.

Na comparação com o igual mês do ano anterior, o valor da folha de pagamento realcresceu 2,5% em setembro, após apontar variação nula (0,0%) em agosto. No ano, o aumento foi de 2,5% e, em 12 meses, de 3,8%.

 Fonte: G1


Compartilhe:

Comentários: