Estudantes que voltavam de intercâmbio estavam em voo que caiu na França e matou 150

Todos eram da escola secundária Joseph-König-Gymnasium, da cidade de Haltern, que decretou luto e suspendeu as aulas

As identidades de algumas das 150 vítimas do acidente com o Airbus A320 da companhia Germanwings, que caiu no sul da França, nesta terça-feira (24), começaram a ser reveladas.

Um grupo de 16 estudantes e dois professores que retornavam de uma viagem de intercâmbio na Espanha estavam a bordo do avião que caiu nesta terça-feira (24) na região dos Alpes, a uma altitude de 2 mil metros. Todos eram da escola secundária Joseph-König-Gymnasium, da cidade de Haltern, que decretou luto e suspendeu as aulas.

“O pesar é esmagador”, disse Bodo Klimpe, prefeito de Haltern. As famílias foram informadas do acidente pela imprensa. “Estamos recebendo o apoio de todos os tipos de autoridades e temos várias pessoas bem treinadas para o aconselhamento”, afirmou.

O ministro de Relações Exteriores, Frank Steinmeier, disse ainda que dois bebês estavam no voo 4U 9525. O Airbus ia de Barcelona, na Espanha, para Dusselford, na Alemanha. Os destroços foram localizados em uma montanha nos Alpes franceses.

Estavam a bordo 150 pessoas, 144 passageiros e 6 tripulantes. A maioria das vítimas – cerca de 67 – era de origem alemã. Também viajavam 45 de origem espanhola. Acredita-se que muitos turcos estivessem a bordo também.

http://s1.lemde.fr/image/2015/03/24/644x322/4600310_3_1288_des-helicopteres-des-secours-francais-a_d75e1def08cdc07fcdf14058e61bb470.jpg

No Terminal 2 do Aeroporto de Barcelona El Prat foi montado um gabinete de crise com representantes do governo espanhol, da operadora do aeroporto AENA e da companhia aérea Germanwings.

O voo 9525 partiu de Barcelona às 10h01 (6h01, horário de Brasília) e deveria pousar às 11h37, mas sumiu dos radares por volta das 11h (7h em Brasília). A aeronave chegou a perder altitude durante oito minutos antes do acidente, que aconteceu no departamento de Alpes-de-Haute-Provence, próximo à cidade de Digne, junto ao massivo de Três Bispos, na região montanhosa do sudeste da França.

Diferentemente do que havia sido anunciado pelas autoridades, os pilotos da aeronave não transmitiram um alerta de emergência antes da queda. Ao canal Europe 1, o secretário de Estado de transportes, Alain Vidalies, disse que um helicóptero sobrevoou a área e verificou a presença da fuselagem da aeronave com “alguns corpos” em seu entorno.

A lista de passageiros ainda está sendo verificada e até o final da tarde deve ser divulgada pelas autoridades. Carsten Spohr, executivo-chefe da Lufthansa, empresa à qual a Germanwings pertence, disse pelo Twitter que “se nossos temores forem confirmados, este é um dia negro para a Lufthansa”.

Fonte: Correio da Bahia


Compartilhe:

Comentários: