Frentistas ameaçam entrar em greve

Frentistas de seis grandes postos de combustível da capital baiana realizaram paralisação, desde a manhã dessa quinta-feira (5/7), em protesto à falta de acordo entre a categoria representada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Combustível da Bahia (Sinposba) – e os patrões, do Sindicato de Combustíveis (Sindicombustível – BA). 

Eles reivindicam reajuste salarial de  12,21%, além de auxílio alimentação no valor de R$ 180. No entanto, o patronato continua com a proposta de 7,5%, o que é insustentável para a categoria.

Segundo o diretor de comunicação do Sinposva, Paulo Félix, houve seis negociações  entre os frentistas e os patrões, mas nada foi resolvido. “Pelo contrário, depois de seis rodadas com o presidente do sindicato deles, houve um acerto, que foi cortado. Uma falta de respeito com o trabalhador”, afirma.

Os frentistas pedem ainda pagamento aos domingos e feriados de 60% do dia em dinheiro, mais folga, além das horas extras que não são devidamente debitadas na conta dos funcionários dos postos de gasolina.

 “Nosso piso é de apenas um salário mínimo. Trabalhamos domingos e feriados sem receber hora extra. Iniciamos nossas reivindicações com 18% de reajuste, depois baixamos para 12% e o patronal só quer reajustar 7,5%”, acrescenta Paulo Félix.

A grande manifestação aconteceu em seis postos de Salvador. São eles: Posto Porto Seco, na BR- 324 (bandeira Petrobras), Posto Nota Dez, em frente ao DETRAN (bandeira Petrobras), Posto Gabriela, na entrada do Imbuí (bandeira Shel), Posto Alphaville, no Condomínio Alphaville (bandeira Petrobras) e Posto 3, na Paralela (bandeira Petrobras).

O Sinposba solicitou ao Ministério Público do Trabalho (MPT) a mediação para uma nova reunião, e aguarda a resposta do órgão.

Segundo o presidente do Sinposba, Antônio José, “os empresários querem discutir direitos já adquiridos pela categoria. Ano passado, conquistamos uma antiga reivindicação, receber o pagamento pelos domingos e feriados trabalhados, eles querem que a categoria abra mão deste direito conquistado através de muita luta”, disse.

De acordo com o sindicato da categoria, há a possibilidade de uma paralisação por tempo indeterminado. nessa quinta-feira (5/7), usuários dos postos foram pegos de surpresa, mas apoiaram a causa dos trabalhadores.

O comerciante Antônio José Oliveira, morador de Pernambués, costuma abastecer seu veículo no Posto Nota Dez, em frente ao Detran. “Fiquei surpreso, mas entendo. Estamos vivendo um período de protestos e todos têm o direito de pedir melhorias em seus salários. Sou comerciante e sei bem o que é isso”, avaliou.

 

Fonte: Tribuna da Bahia

Imagem: Ilustração


Compartilhe:

Comentários: