Hemoba cadastra doadores de medula

Milhares de pacientes com leucemia e outros com alguns tipos de anemia, estão necessitando, com urgência, de doação de medula óssea.

Para atingir o maior número de doadores compatíveis, a Fundação Hemoba, em parceria com o Tribunal Regional do Trabalho, encerra hoje (23), na sede do TRT5, no Comércio, o cadastro para candidatos compatíveis que tenham entre 18 e 54 anos e 11 meses, gozando de boa saúde.

Para se tornar um doador é preciso que o candidato se dirija ao local da ação de Cadastro de Medula Óssea, que está locada até hoje na entrada (térreo) do prédio do Tribunal Regional do Trabalho, no Comércio, preencher um formulário com dados pessoais e realizar a coleta de uma amostra de sangue com cinco ml para testes de compatibilidade.

Os dados pessoais e os resultados dos testes serão armazenados em um sistema informatizado do INCA Instituto Nacional de Câncer) e GACC (Grupo de Ajuda a Criança com Câncer), que realiza o cruzamento com dados dos pacientes que estão necessitando de um transplante.

Segundo a assistente social de capacitação de doadores da Hemoba, Rita Sadok, a campanha é internacional e atende alguns países que fazem parte do Redome (Registro internacional de Medula Óssea), como o Brasil, EUA, Itália, Venezuela, entre outros.

“Está havendo um movimento na sociedade como um todo no país e os hemocentros que são responsáveis por esses cadastros de doação de medula óssea têm feito ações externa extramuros. Necessitamos que a população se sensibilize com o cadastro de medula óssea porque os pacientes que precisam de transplante aguardam há muito tempo e eles nem tem tanto tempo de vida de espera”, sinalizou Rita, lembrando ainda que é preciso ter um milhão de doadores para encontrar um compatível e às vezes cem mil para um.

“Nosso objetivo é de conseguir doadores para medula óssea. Uma vez compatível com um paciente, o doador é então chamado para exames complementares e para realizar a doação. A retirada da medula é feita por meio de punções no osso da bacia e se recompõe em apenas 15 dias”, contou a secretaria do GAMO (Grupo de Apoio a Medula Óssea), que tem a parceria com o Hemoba, Maria D’Ajuda, lembrando ainda que esta seja uma campanha que iniciou por uma necessidade muito grande de pacientes que estão precisando de doadores compatíveis e por isso faz um apelo: “Infelizmente o transplante só pode ser feito com compatibilidade, algo bastante difícil de existir no nosso país pela sua miscigenação. Então, quanto mais pessoas se cadastrarem, conhecerem o processo, o procedimento, o que na realidade é e significa, que é salvar uma vida, mais chances teremos de salvar pessoas. Por isso que pedimos muito a ajuda da população baiana, pois é a partir desta campanha que nasce a possibilidade de salvarmos muitas vidas”.

Para esta ação, Mara D’Ajuda disse que é esperado atingir em média – nesses dois dias de ação (ontem e hoje) -, 400 pessoas: “Além da boa vontade em salvar uma vida é preciso que o candidato interessado se dirija ao posto do TRT5 com um documento federal em mão, como o RG e CFF”, concluiu.

Fonte: Tribuna da Bahia


Compartilhe:

Comentários: