Homem luta para conseguir retirada de aparelhos que mantêm esposa grávida viva

Grávida, Marlise Muño desmaiou em casa no dia 26 de novembro

O americano Erick Muñoz briga para conseguir remover o suporte a máquinas que mantém a vida da mulher, Marlise Muño. O caso divide opiniões no Texas, onde uma lei determina que uma paciente não pode ter tratamento de suporte à vida interrompido caso esteja grávida, como Marlise, que estava na 14ª semana de gestação ao entrar em coma. Ela vive apenas com ajuda de máquinas e não tem consciência.

Marlise desmaiou em casa no dia 26 de novembro. O marido, que é paramédico, a socorreu até o hospital John Peter Smith, em Fort Worth, Texas. A suspeita era de que ela tenha sofrido uma embolia pulmonar, mas isso não foi confirmado. Desde a data, Marlise segue internada inconsciente, respirando com ajuda de aparelhos.

Exames determinaram que o feto na barriga de Marlise tem batimento cardíaco normal e aparentemente segue em desenvolvimento. A família de Marlise foi informada de que os médicos seguiriam o Código de Saúde e Segurança do Texas, que determina que uma pessoa não pode ter o tratamento de suporte de vida suspenso em caso de pacientes grávidas.

Erick não concorda com a lei e deseja seguir o desejo da mulher, que era de não viver com ajuda de aparelhos. Os dois conversaram sobre o tema depois que Marlise perdeu o irmão de maneira trágica. Na época, ela disse que não queria viver ajudada por máquinas.

De acordo com a rede de TV ABC, especialistas dizem que é difícil que a família de Marlise consiga uma autorização judicial para desligar as máquinas que a mantêm viva no Texas.

Em fevereiro, mais testes serão feitos com o feto, para que os médicos analisem se já é possível removê-lo com segurança.

Fonte: iBahia


Compartilhe:

Comentários: