Invento dá prêmio a médico baiano

O urologista pediátrico Ubirajara Barroso Júnior, ganhou um prêmio no Congresso Americano de Urologia, realizado em San Diego – Califórnia, pelo seu invento, um aparelho, com um sensor de umidade que além de conectado ao alarme, emite um estímulo que contrai a musculatura da uretra, interrompendo a perda urinária, no início da micção à noite.

“Não há dor, apenas uma leve sensação de formigamento. Portanto, os pacientes ou os pais são aptos a acordarem e a micção é completada no vaso sanitário, sem a cama estar molhada”, comentou Ubirajara. Isso teoricamente ajuda a comunicação entre o cérebro e a bexiga durante o sono o que possibilitaria uma taxa de sucesso mais rápida. “Usamos esse método em 9 casos, de 7 a 20 anos de idade e houve cura em 8, com 15 dias a 2 meses de uso do método”, explicou o urologista.

Ubirajara comenta ainda que o xixi na cama, ato de urinar  na cama, está presente em cerca de 10% das crianças com 7 anos de idade e 5% aos 10 anos. Aos 15 anos, 1% ainda persiste urinando na cama. Esse problema está associado a baixa auto-estima, sensação de inferioridade e isolamento. Essas crianças eadolescentes são impedidos de dormir na casa de colegas, importante atividade de sociabilização e de independência nos dias de hoje, por receio de fazer xixi na cama. Além disso, a enurese noturna pode vir associada também a incontinência diurna e, nesses casos, pode decorrer infecção urinária e até lesão renal. Por tudo isso, a enurese precisa ser tratada.

Sobre os tratamentos disponíveis hoje, as orientações são comportamentais, a medicação e o alarme de enurese. As orientações pela baixa taxa de sucesso (15-20%) deve ser usada apenas como suporte para outras medidas. A medicação mais usada é o DDAVP, que deve ser tomado antes de dormir, todos os dias, por meses. “Infelizmente, quando o remédio é interrompido, a enurese persiste em 50% a 70% dos casos. Com relação a seu invento, ele informa que o alarme de enurese consta de um sensor de umidade que é conectado a um dispositivo que aciona um alarme quando o sensor é ativado. Esse é colocado na roupa íntima da pessoa”.

Esse é o tratamento com maior taxa de sucesso, que gira em torno de 50%. O problema desse método é que pessoas com enurese têm o sono pesado e geralmente não acordam. Portanto, ela continua molhando a cama por semanas até serem tratadas.

Esse aparelho está sendo fornecido como teste gratuitamente, no ambulatório Docente Assistencial da Escola Bahiana de Medicina (ADAB), na Avenida D. João VI, em Brotas. Interessados podem ir às quartas-feiras, no período da tarde, a partir das 13h. 

Fonte: Tribuna da Bahia

Imagem: Ilustração


Compartilhe:

Comentários: