Irmão de Eduardo Campos questiona informação de que acidente foi causado por falha humana

Segundo advogado, os laudos do Cenipa tratam de possibilidades, mas não são conclusivos

RECIFE – O advogado Antônio Campos, irmão do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, questionou nesta sexta-feira as informações reveladas pelo jornal O Estado de S. Paulo de que as investigações da Aeronáutica sobre o acidente, em agosto do ano passado, concluíram que falhas do piloto levaram à queda do avião Cessna, em Santos, litoral sul paulista. Em nota, ele afirma que os laudos do Centro de Prevenção de Acidentes Aéreos (Cenipa) tratam de possibilidades em relação ao acidente, mas não são conclusivos. Ainda de acordo com o advogado, que esteve em Santos na quinta-feira, laudos primam por recomendações quanto a procedimentos de prevenção de acidentes aéreos.

“É estranho que se tenha acesso às investigações da Aeronáutica e se divulgue conclusões antes da divulgação pelo órgão competente. (…) O Cenipa não está fazendo todas as perícias do caso e não pode ter uma visão global do acidente”, escreveu o advogado, que concluiu:

“ Após a divulgação oficial das conclusões das investigações da Aeronáutica, bem como a conclusão dos inquéritos civil e criminal em curso, iremos nos pronunciar sobre as causas do acidente. Até lá, é prematura a conclusão noticiada, até porque está pendente de conclusão relevantes perícias”.

Antônio Campos afirma ainda que teve uma audiência com o procurador da República Thiago Nobre, que prometeu a conclusão do inquérito policial e civil para fevereiro. Segundo ele, o procurador ainda aguarda a conclusão das perícias, que “poderão ainda não ser definitivas sobre o caso, podendo ter provas complementares”.

De acordo com as informações do jornal “O Estado de S. Paulo”, não foi encontrado indício de falha técnica do avião. A caixa-preta do jato que levava o político não registrou as últimas duas horas de voo, por isso não foi utilizada nas investigações.

Fonte: O Globo

Imagem: Ilustração


Compartilhe:

Comentários: