Justiça decreta ilegalidade da greve da PM

A justiça decretou a ilegalidade da greve da PM nesta quarta-feira, 16. De acordo com a liminar do desembargador plantonista Roberto Maynard Frank, todo o efetivo deve voltar imediatamente às atividades para garantir a segurança na Bahia.

O desembargador também determina que o governador Jaques Wagner realize, de imediato, um plano de contingenciamento da segurança pública do estado. A liminar atende o pedido formulado pelo procurador-geral de Justiça Márcio José Cordeiro Fahel, do Ministério Público do Estado (MP).

A ação cautelar ajuizada pelo procurador-geral também argumenta que o Supremo Tribunal Federal (STF) considera que os militares são proibidos de realizar greve.

Forças Armadas

A presidente Dilma Rousseff autorizou o envio da Força Nacional de Segurança e do Exército para reforçar a segurança pública na Bahia. As tropas devem chegar às 17 horas, mas o efetivo da Polícia do Exército da 6ª Região Militar já estão patrulhando as ruas da capital baiana.

A greve foi deflagrada nesta terça, 15, depois que a categoria não aceitou a proposta de reformulação da PM apresentada pelo governo estadual. Representantes da categoria apresentam uma contra-proposta nesta quarta.

Insegurança

Com os PMs em greve, cresce o clima de tensão na população. Diversas lojas foram arrombadas e saqueadas desde a noite desta terça. Para evitar prejuízo, alguns comerciantes decidiram fechar as portas e esvaziar os estabelecimentos.

O transporte urbano também está comprometido e os ônibus começaram a circular a partir das 5 horas, mas alguns rodoviários se recusaram a trabalhar com medo da insegurança.

Os servidores municipais também paralisaram as atividades durante a greve da PM. As escolas particulares e faculdades também suspenderam as aulas.

Fonte: Portal A Tarde


Compartilhe:

Comentários: