LED é alternativa para compensar o aumento do custo de energia elétrica

A conta de luz está mais cara. O reajuste de 40% anunciado pelo governo não encerra o ciclo de aumento em decorrência principalmente da crise hídrica e dos empréstimos feitos pelo governo às distribuidoras, segundo documento da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Para o consumidor, uma alternativa é reduzir o consumo de energia como forma de minimizar o impacto. Substituir equipamentos por tecnologia mais moderna e eficiente é uma saída.

No quesito iluminação, que corresponde por 20% do consumo doméstico de energia, só perdendo para chuveiros (33%) e geladeiras (30%) segundo a Coelce – Companhia Energética do Ceará, uma sugestão da indústria é trocar a lâmpada incandescente por LED antes que o aumento venha.

“A incandescente usa 95% da energia consumida para emitir calor, somente 5% para iluminar. Já o LED tem uma proporção muito mais eficiente no consumo de energia e no que é aproveitado, sendo até 90% mais econômico, conforme o modelo”, afirma o consultor em iluminação da Lâmpadas Golden, Leandro de Barros.

O especialista aconselha o consumidor a investir nesta tecnologia, para compensar o novo reajuste de energia. O custo com aquisição de uma lâmpada modelo A60 de 10W, que tem a mesma intensidade luminosa de uma incandescente de 60W, se pagará em 5 meses.

Antes do aumento, o consumo anual com uma incandescente de 60W era de R$ 48,38 (8h de uso/dia). Com o reajuste da tarifa, o consumo por ponto na tecnologia tradicional passou para R$ 69,12 (8h de uso/dia).

Com a mesma intensidade luminosa é possível usar o LED de 10W com uma economia de 84%. Com um consumo de R$ 11,52 (8h de uso/dia) por ponto, o LED é uma alternativa para reduzir o impacto da elevação do custo de energia no quesito iluminação.

A substituição beneficia no longo prazo, já que a tecnologia LED tem uma duração 33 vezes maior que a incandescente. A troca também é simples, já que o modelo não requer substituição de soquete e o driver já vem embutido.

Fonte: Tribuna da Bahia


Compartilhe:

Comentários: