Morre aos 84 anos Ronald Biggs, do assalto ao trem pagador

Assalto milionário a trem entre Glasgow e Londres ocorreu 50 anos atrás.
Biggs era conhecido como o ‘ladrão do século’ 20 e morou no Brasil.

Ronald Biggs em 20 de março em Londres (Foto: Andrew Cowie/AFP)

O britânico Ronald Biggs, conhecido como o “ladrão do século” por conta ao assalto ao trem pagador entre Glasgow e Londres ocorrido em 1963, morreu nesta quarta-feira (18) aos 84 anos, informou a família.

Biggs, que ficou famoso após sua fuga espetacular para o Brasil depois do roubo, morreu em um asilo para idosos em East Barnet, no norte de Londres.

Com problemas de saúde, ele recebia atendimento médico. Os detalhes da causa da morte não foram divulgados.

Biggs foi visto em público pela última vez em agosto, numa cerimônia no cemitério de Highgateem em homenagem a Bruce Reynolds, o mentor do assalto, que morreu em fevereiro, aos 81 anos.

O roubo, feito por uma quadrilha de 11 integrantes, levou cerca de 2,6 milhões de libras esterlinas (o equivalente a US$ 4,2 milhões) à época.

Na madrugada de 7 para 8 de agosto de 1963, o condutor de um trem postal, que percorria o trajeto entre a cidade escocesa de Glasgow e a estação londrina de Euston, parou em um ponto isolado na altura de Ledburn, ao noroeste de Londres. Um sinal vermelho na via ordenou a parada.

Os assaltantes agrediram o condutor, desengancharam a locomotiva e os dois primeiros vagões para, em seguida, descarregar 120 sacos que continham 2,5 toneladas de dinheiro em espécie.

Tudo aconteceu sem que os funcionários nos outros vagões percebessem o assalto.

Durante o assalto, Biggs feriu gravemente o maquinista, Jack Mills, que acabou morrendo seis anos depois, segundo o jornal britânico “Telegraph”.

Biggs foi preso após o roubo e recebeu uma sentença de 30 anos de prisão, mas escapou 15 meses depois da prisão de Wandsworth, pulando o muro com uma corda de pano e fugindo em uma caminhonete.

Após a fuga, ele passou por Bélgica, França, Panamá e Austrália até chegar ao Brasil, em 1970, atraindo a atenção da imprensa pelo modo ousado como escapava da justiça britânica.

Ele ficou mais de 30 anos em liberdade no Rio de Janeiro, onde levou uma vida confortável e fez cirurgias plásticas para mudar sua aparência.

Acabou sendo tema de livros, filmes e reportagens.

m 2002, ele casaou com Raimunda Rothen, que já era mãe de seu filho Michael, que também chegou a ficar famoso como o Mike do grupo infantil Turma do Balão Mágico nos anos 1980.

Em entrevista em Buenos Aires, em 1974, Biggs disse: “Se eu voltar à Inglaterra eu vou voltar, segundo dizem os jornais, para 28 anos de prisão. É claro que todos sabemos que não vai ser tudo isso, mas seria muito tempo em todo caso.

Já com a saúde frágil, Ronald Biggs finalmente se rendeu à polícia britânica em 2001 e voltou ao país, onde foi rapidamente preso e levado à prisão de segurança máxima de Belmarsh.

Mas ele foi libertado em 2009 por questões de saúde.

Ronald Arthur Biggs nasceu em Lambeth, no sul de Londres, em 8 de agosto de 1929. Ele apareceu diante de um tribunal pela primeira vez com 15 anos, após ter furtado lápis. Aos 20, recebeu uma sentença de seis meses e uma baixa desonrosa da Força Aérea Britânica após invadir uma farmácia, segundo o “Telegraph”. Depois disso, enveredou pelo crime.

Ele também teve filhos de seu primeiro casamento, com Charmian Brent.

Pouco antes do aniversário de 50 anos do assalto, Ronnie Biggs declarou: “Se querem me perguntar se lamento ter participado no golpe, minha resposta é não”. “Consegui um pequeno lugar na história”, disse ele em entrevista, certa vez.

Fonte: G1


Compartilhe:

Comentários: