Morre aposentada que esperou 5 dias por exame no Roberto Santos

Ela passou cinco dias sentada em uma poltrona reclinável esperando a realização de um ultrassom para a cirurgia

A aposentada Dinalva Andrade, 64 anos, morreu no domingo (8), após uma parada cardíaca no Hospital Geral Roberto Santos. A história de Dinalva, que aguardou atendimento na unidade por cinco dias até passar por cirurgia na última terça-feira e ser transferida para um apartamento, foi contada pelo CORREIO na primeira reportagem de uma série publicada na semana passada, que denunciou graves problemas de atendimento na unidade.

Ela era diabética, hipertensa e renal crônica e havia recorrido à instituição para cuidar de um abscesso na perna direita. Foi quando passou cinco dias sentada em uma poltrona reclinável esperando a realização de um ultrassom para a cirurgia.

“Ontem (sábado), ela deveria ter feito quatro horas de diálise e não tinha maqueiro para levá-la, por isso perdeu duas horas. O médico acha que ela teve derrame pleural (acúmulo excessivo de líquidos no pulmão), mas ainda não sabemos se a falta de diálise correta influenciou”, disse a filha dela, Raquel Lacerda. No mesmo hospital, o corpo do pintor Walter Assis Motta, 60 anos, que morreu depois de esperar quatro horas para ser atendido, foi encontrado no banheiro. A assessoria da Sesab não foi localizada.

O corpo de Dinalva Andrade será sepultado às 14h30 desta segunda-feira (9), no cemitério da Ordem Terceira de São Francisco.

Fonte: Correio da Bahia


Compartilhe:

Comentários: