Mundo pode ter 1 bilhão de hipertensos

Especialistas alertam população para o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, próximo 26, pois em todo o mundo, aproximadamente 1 bilhão de pessoas podem ser portadoras da doença. Dados do Ministério da Saúde registram que no Brasil, entre a população com mais de 18 anos, 23% das mulheres e 20% dos homens sofrem de hipertensão arterial.

A doença é silenciosa, sorrateira que pode matar sem mesmo a pessoa tomar conhecimento que a possui, caso não faça exames periódicos e não tenha o hábito de medir a pressão.É considerada crônica, determinada por elevados níveis de pressão sanguínea nas artérias, o que faz com que o coração tenha que exercer um esforço maior do que o normal para fazer circular o sangue através dos vasos sanguíneos.

Para a médica Maria Amélia Bulhões Hatem, cardiologista do Centro de Diagnóstico Integrado da Bahia (Cediba) é importante que as pessoas tenham cuidado com a hipertensão arterial e a encarem como doença grave, mas que pode ser controlada  com cuidados necessários.

Hatem  conta que, muitas vezes, o descuido das pessoas com a doença  é  tão grande que elas acham que, por estarem se sentindo bem, não há mais necessidade de tomar o remédio diariamente, como é prescrito.

“O cardiologista deve ter um papel ativo na orientação de seus pacientes e promover campanhas educacionais, de que a hipertensão arterial é doença crônica e exige terapia e esforços contínuos para o adequado controle”, adverte.

A descrição de aumento da tensão arterial foi relatada em 2600 AC na China e Hipócrates no século XVIII já descrevia a associação de hipertensão arterial com acidente vascular cerebral (AVC), segundo informação da médica.

Ela relata que recentes estudos clínicos epidemiológicos foram realizados numa pequena cidade do EUA, Framingham, e foram pioneiros por envolver milhares de pessoas, e provar a relação entre hjipertensão e doenças cardiovasculares.

Conforme a declaração da médica foram estes estudos que alertaram sobre a necessidade de controle pressórico e da adoção de mudanças de estilo de vida, tais como perda de peso, exercício físico, redução da ingestão de sal e álcool na dieta para prevenção do infarto agudo do miocárdio, AVC, doença arterial periférica e insuficiência cardíaca.

 ”Além dos desfechos clínicos maiores, como AVC e infarto, a hipertensão, quando não adequadamente tratada, é responsável por uma série de outras lesões nos chamados órgãos-alvo. As principais lesões nos chamados órgãos -alvo são: hipertrofia, seguida ou não, de dilatação ventricular, retinopatia, insuficiência renal, entre outros”, descreve .

Prevenção 
O médico Ricardo Pavanello, supervisor do setor de cardiologia clínica do Hospital do Coração (HCor), em São Paulo, via assessoria de imprensa  da instituição, alerta as pessoas que por ser uma doença “silenciosa” é importante estar sempre com consultas e exames médicos em dia.

“Prevenção é a palavra de ordem e controlar os fatores de risco é a melhor forma para tal. O que acontece na maioria das vezes é o diagnóstico ser realizado quando acontecem alterações dos chamados órgãos-alvo, que são cérebro, coração e rins”, explica.

Pavanello destaca que relacionados ao cérebro, os principais sintomas são tontura, dor de cabeça e AVC nos casos extremos. No que diz respeito ao coração, o paciente pode apresentar desde dor no peito ao próprio infarto agudo do miocárdio. Nos rins, inchaço e diminuição do volume urinário são os principais sintomas.

O cardiologista aconselha: “Praticar atividades físicas, dieta equilibrada e com pouco sal, evitar cigarro e outras drogas, também são formas de evitar o problema”.

Fonte: Tribuna da Bahia


Compartilhe:

Comentários: