Pais levam filhos pequenos em carros sem usar a cadeirinha de segurança

Muitos pais e responsáveis continuam não utilizando nos seus veículos cadeiras apropriadas para crianças, como obriga a resolução de número 277 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).  De acordo com a Polícia Rodoviária Federal da Bahia no ano de 2013, foram autuados 1.211 condutores por transportarem crianças sem os cuidados necessários à segurança.

Já neste ano, o Núcleo de Multas e Penalidades/Siger/ da PRF, responsável pela pesquisa registra 72 condutores multados pelo mesmo motivo, nas rodovias federais deste estado, ou  seja, sem os cuidados necessários à segurança, previstos pelo Código Nacional de Trânsito..

Na cidade, a Transalvador emitiu 219 notificações em 2013 por este motivo. A gerente de Educação do Trânsito da empresa, Miriam Bastos, disse os pais têm que entender que é para a total segurança dos filhos por reduzir em cerca de 70% os riscos de lesões irreversíveis e de mortes, no caso de acidentes.

 “Os motoristas que não obedecem à resolução são multados em R$19,54, além de ganhar sete pontos na Carteira de Habilitação”, afirmou. Este descaso, por parte dos motoristas, motivou a Transalvador a lançar, nos próximos dias,  na “Operação Volta às Aulas”, uma campanha para chamar a atenção do perigo do não- uso destas cadeiras.

  ”Os pais reclamam dos preços, mas têm que estar preocupados com a segurança. E tem cadeirinha de todo o preço no mercado”, sinalizou.

Outro dado importante na hora da compra da cadeira, segundo a gerente, é verificar se esta tem normas de segurança e se possui o selo do  Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro).

Equipamento

Há três tipos de cadeiras: 0 a 1 ano, bebê conforto, de 1 a quatro anos, cadeirinha; de 4 a 7 anos e meio, com acento elevado. ”Os pais devem considerar a idade, o peso e a altura destas crianças, pois cada tipo de cadeira é utilizada conforme estas características”, observou Bastos.

 No entanto, se a criança tem mais de 7 anos e meio, 1, 5 metro e for magrinha, a especialista em trânsito aconselha aos pais para que continuem utilizando o equipamento.

 “Se a criança for muito magra e baixa, não vai estar segura no cinto de segurança porque o cinto exige que tenha uma determinada estatura, pois é importante que seja devidamente ajustado”, alertou a gerente.

Muitos pais e responsáveis continuam não utilizando nos seus veículos cadeiras apropriadas para crianças, como obriga a resolução de número 277 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).  De acordo com a Polícia Rodoviária Federal da Bahia no ano de 2013, foram autuados 1.211 condutores por transportarem crianças sem os cuidados necessários à segurança.

Já neste ano, o Núcleo de Multas e Penalidades/Siger/ da PRF, responsável pela pesquisa registra 72 condutores multados pelo mesmo motivo, nas rodovias federais deste estado, ou  seja, sem os cuidados necessários à segurança, previstos pelo Código Nacional de Trânsito..

 Na cidade, a Transalvador no ano passado emitiu 219 notificações por este motivo. A gerente de Educação do Trânsito da empresa, Miriam Bastos, disse os pais têm que entender que é para a total segurança dos filhos por reduzir em cerca de 70% os riscos de lesões irreversíveis e de mortes, no caso de acidentes.

 “Os motoristas que não obedecem à resolução são multados em R$19,54, além de ganhar sete pontos na Carteira de Habilitação”, afirmou. Este descaso, por parte dos motoristas, motivou a Transalvador a lançar, nos próximos dias,  na “Operação Volta às Aulas”, uma campanha para chamar a atenção do perigo do não- uso destas cadeiras.

  ”Os pais reclamam dos preços, mas têm que estar preocupados com a segurança. E tem cadeirinha de todo o preço no mercado”, sinalizou.

Outro dado importante na hora da compra da cadeira, segundo a gerente, é verificar se esta tem normas de segurança e se possui o selo do  Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro).

Fonte: Tribuna da Bahia

Imagem: Ilustração


Compartilhe:

Comentários: