Procon notifica Correios por causa do atraso na entrega de correspondências

Entrando no 12° dia por atraso na entrega de cartas e objetos postais, a Agência de Correios e Telégrafos da Bahia foi notificada na manhã de ontem pela Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-BA). Em razão de um defeito técnico em um setor elétrico no edifício-sede dos Correios, na Pituba, desde a manhã de 27 de junho, asatividades do prédio foram interrompidas.

Ainda que a situação tenha sido normalizada no dia 28 de junho, dois dias após, uma nova queda de energia aconteceu no prédio. O apagão foi causado devido a um problema que gerou a oxidação de um encanamento de água do imóvel e até então problema não foi resolvido. A partir dos relatos de consumidores que ainda aguardam as encomendas serem despachadas, o Procon-BA emitiu uma notificação para os Correios, cobrando providências para garantir o cumprimento dos prazos de entrega de encomendas e evitar danos maiores aos consumidores.

“Alternativas precisam ser apresentadas para que os consumidores baianos não continuem sendo lesados. Estaremos atentos para que sejam obedecidas as normas vigentes e eventuais prejuízos não sejam registrados. A preocupação agora é regularizar a situação de imediato e restabelecer a prestação do serviço postal”, salientou o Superintendente do Procon, Ricardo Maurício Freire Soares.

De acordo com o diretor Regional dos Correios na Bahia, Cláudio Garcia, providências estão sendo adotadas e até a próxima sexta-feira (11), o serviço será normalizado: “Já locamos dois geradores para poder atender os setores mais emergenciais de trabalho e estamos agora com duas empresas trabalhando para colocar um cabeamento que substituirá o barramento elétrico – sistema de energia que alimenta todo o prédio –. À medida que as pessoas têm vindo nos procurar, temos localizado e entregado os objetos, já os outros estão sendo entregues nas residências. Com a conclusão do cabeamento, há a expectativa de que os serviços normalizem nessa sexta-feira”, explicou o diretor.

Cláudio pediu ainda que as pessoas que aguardam pelas suas encomendas “tenham um pouquinho de paciência em função de que este foi um motivo de força maior que surgiu, mas, que estão sendo feitos todos os esforços pelos empregados dos Correios para atender as necessidades dos clientes”.

Enquanto a solução não chega, cerca de 500 mil objetos postais, entre eles cartas e encomendas, continuam presos na sede dos Correios, localizada na Pituba: “Não estamos conseguindo tratar a carga. O que está saindo é o mínimo, e isto graças à boa vontade dos carteiros, que estão separando o que conseguem de forma manual”, disse o diretor da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (FENTECT), Saul Gomes, acrescentando ainda que “o que está acontecendo é um verdadeiro apagão na correspondência da Bahia”.

Cláudio Garcia contesta a informação, e afirma que os Correios, mesmo com a falta de energia, está dando conta de 80% dos cerca de 1,2 milhão de objetos que chegam ao prédio diariamente. “Com funcionamento normal, a taxa de processamento é de 95%, ou seja, os objetos são tratados, enviados para as unidades de distribuição e entregues no mesmo dia em que chegam”, destacou.

Fonte: Tribuna da Bahia


Compartilhe:

Comentários: