Seca mata 5% do gado na Bahia

A Adab contabilizou 572.859 cabeças de gado que morreram devido à forte seca que afetou o Estado. Isso representa cerca de 5% do rebanho existente na Bahia. Os intensos trabalhos nessas regiões de conscientização dos produtores por meio da educação sanitária serviram também para mensurar os prejuízos da seca na pecuária baiana. Os maiores números de mortes ocorreram nas regiões de Miguel Calmon (75.190), Ribeira do Pombal (74.433), Juazeiro (70.700), Itaberaba (69.730) e Feira de Santana (62. 399). Todas englobando municípios que ainda estão com baixa precipitação.

“Dentre as medidas desenvolvidas para diminuir os efeitos da seca e manter o índice vacina acima de 90%, a Adab promoveu intensa reestruturação estratégica de vacinação e monitoramento dos rebanhos localizados em municípios decretados em Estado de Emergência”, explica o coordenador do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa, Antônio Lemos Maia.

A escassez de chuva que se iniciou em 2011, e que ainda ocorre em vários municípios da Bahia, provocou a prorrogação da campanha de vacinação nesta primeira etapa de 2013 devido a uma série de problemas, como a restrição alimentar dos animais, os baixos índices de chuvas, desnutrição do rebanho e os altos custos de insumos, que poderiam comprometer a imunização contra a aftosa. “Não restam dúvidas de que a Bahia ainda é um dos estados mais afetados pela baixa precipitação”, comenta a superintendente do Mapa/SFA na Bahia, Vírginia Hagge, mas ressalta o empenho da Seagri/Adab, em parceria com o Mapa, no enfrentamento da seca, sem abrir mão dos procedimentos de defesa referenciados em todo o País.

Para o diretor de Defesa Sanitária Animal da Adab, Rui leal, a Bahia já entende as atividades de defesa como um alicerce para o sucesso da agropecuária e manutenção do status sanitário de livre de aftosa com vacinação. Por isso, “os produtores têm a consciência que o trabalho realizado durante anos tem retorno positivo e responderam ao chamamento da Adab vacinando o rebanho mesmo com as adversidades climáticas”, finaliza Leal, lembrando que o governo e o criador são responsáveis por parte do processo de transformação de um agronegócio mais solidário em todo o Estado.

A diretoria da Adab já está planejando ações para a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa a ser realizada em novembro deste ano, buscando o aprimoramento das atividades de defesa para o alcance dos índices expressivos de imunização dos animais das 277.543 propriedades com atividade pecuária na Bahia.

Fonte: Tribuna da Bahia

Imagem: Ilustração


Compartilhe:

Comentários: