Segundo semestre tem 14,4 mil vagas no serviço público. Veja oportunidades

Correios devem abrir 10 mil vagas, a maioria delas para nível médio.Mapeamos algumas seleções que já estão no forno; confira

Copa do Mundo, com início daqui a 32 dias, e Eleições, em 5 de outubro. O segundo semestre dos brasileiros será agitado, isso sem levar em considerações as festas do calendário anual, como São João. Por conta da quantidade de eventos de grande porte, há quem diga que o semestre será perdido, a exemplo dos representantes da indústria.

Mas não para os interessados em ingressar no serviço público. Um levantamento feito pelo CORREIO com o Ministério do Planejamento e fontes especializas  registrou a abertura de pelo menos 14,7 mil vagas no Brasil nos próximos meses, incluindo as administrações federal, estadual e municipal de Salvador.

Somente no mês passado, o Ministério do Planejamento autorizou três concursos para os seguintes órgãos federais: Secretaria de Portos (SEP), Advocacia Geral da União (AGU) e Ministério da Saúde (MS). Juntos, eles vão ofertar 285 vagas no Brasil até o mês de outubro.

Isso porque, uma vez autorizado, a entidade tem até seis meses para lançar o edital, com todos os detalhes do processo seletivo, incluindo inscrições e conteúdo programático. Entre os concursos federais confirmados, o da Polícia Federal (PF) é um dos mais esperados.

Autorizada em março, a seleção vai oferecer 600 vagas de agente. Além da formação superior em qualquer área, o cargo tem como requisito a carteira de habilitação, na categoria B ou superior. A remuneração inicial é de R$ 7.887,33.

A expectativa é que a PF realize, até o fim deste ano, a primeira etapa da seleção, composta por provas objetivas e discursivas (aplicadas em todas as capitais) e avaliações física, médica e psicológica. Para o curso de formação, etapa final, a meta é promovê-lo no início de 2015.

Além daqueles autorizados pelo Ministério do Planejamento, outros órgãos nacionais prometem lançar concursos nos próximos meses, a exemplo dos Correios. Há uma expectativa que sejam abertas cerca de 10 mil vagas, sendo a maioria delas para cargos de nível médio, como carteiro, atendente comercial e operador de triagem e transbordo.

Para carteiro, por exemplo, a remuneração média pode chegar a R$ 2,2 mil, considerando ainda outros adicionais. Além disso, também haverá oportunidades para o nível superior, cujas especialidades ainda não foram divulgadas.

Nesse caso, a remuneração, já incluindo os auxílios, é de R$ 4,9 mil ou de R$ 4,8 mil, dependendo do número de dias trabalhados.

Bahia

No plano estadual, o governo confirma três novos concursos até dezembro, que juntos vão totalizar 624 oportunidades. A maior quantidade de vagas será para a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), que vai oferecer 490 oportunidades para a função de agente penitenciário, que exige nível médio.

A Junta Comercial do Estado da Bahia (Juceb) também vai ampliar seu quadro de servidores este ano em 21 funcionários, sendo 17 para a função de técnico de registro do comércio e quatro para analista de registro do comércio.

Além disso, o Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro) também  está formatando uma seleção. Ao todo, serão 113 vagas, para os cargos de especialista em metrologia e qualidade (33) e técnico em metrologia e qualidade (80).

A prefeitura de Salvador também não fica atrás. O secretário de Gestão, Alexandre Pauperio, explica que um cronograma de concursos públicos será definido assim que o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) dos servidores seja implementado.

“Posso adiantar pelo menos duas seleções para este ano: uma para 60 vagas de especialistas em políticas públicas e outra para 90 oportunidades na Sefaz (Secretaria da Fazenda)”. Na pasta dos tributos, os postos serão divididos entre os cargos de auditor fiscal (com salário base de R$ 1.346,81), auditor interno (R$ 2.671,71) e analista fazendário (R$ 808,07). Já a remuneração inicial de analista de políticas públicas é de R$ 6.666,50.

Planejamento

Determinado a ter um crachá de servidor do Ministério Público da União (MPU), o engenheiro eletricista Gustavo Spínola, 30 anos, já está fazendo a sua parte para tentar abocanhar uma das novas oportunidades. “Tem gente dizendo que não vai ter muitos concursos, mas não é nada disso”.

Enquanto os editais de interesse não são publicados, ele aposta no estudo das disciplinas básicas, como português, direito administrativo, direito constitucional, informática e raciocínio lógico. “Quando o edital sair, preciso estar muito bem nessas matérias. Não podemos perder tempo e estudar apenas nas vésperas. O nível dos candidatos está alto”.

Realização de concursos não é proibida em ano eleitoral

Diferentemente do que muitos pensam, a realização e homologação de concursos públicos não são proibidas em ano eleitoral. O advogado eleitoral Sávio Mahmed explica que a Lei Geral das Eleições de nº 9.504, no artigo 73, restringe apenas para nomeação, contratação ou admissão e exoneração ou remoção de servidor público nos três meses que antecedem o pleito até a posse dos eleitos, que costuma acontecer em 1º de janeiro.

“Essa restrição é válida apenas para as esferas em que ocorrem a eleição, no caso deste ano, nos âmbitos federal e estadual”, ressalta.

No entanto, o especialista informa que se a homologação do concurso federal ou estadual for feita até três meses antes das eleições, ou seja, até julho, as nomeações podem ocorrer em qualquer período do ano. “Lançar edital também está liberado, independente da esfera”, destaca.

Segundo Mahmed, o objetivo da lei é proporcionar a igualdade entre candidatos a cargos públicos, evitando o uso de governos para  favorecer um candidato em detrimento de outro.

 

Foco 

Escolha uma área. Para isso, é importante observar o tipo de atividade a ser desempenhada e não apenas o salário que o órgão oferece. Especialistas garantem que atirar para todos os lados pode significar perda de tempo e, a depender, até perda financeira. Opte por um concurso em que você se sinta feliz trabalhando e não apenas pelo status ou dinheiro.
Motivação A primeira atitude para passar em concursos é a motivação. Para o especialista em seleções públicas Wiliam Douglas, uma pessoa motivada é mais feliz e produtiva. “A motivação é pessoal: só você pode dizer o que lhe dá ânimo para trabalhar, prosseguir, crescer. As outras pessoas podem ajudar na motivação, mas não nos dá-la de presente”, diz.
Planejamento  Com organização e planejamento o candidato já tem meio caminho andado. Faça um planejamento de estudo, escrito em uma tabela de horários. Não estabeleça algo que não poderá cumprir. “A qualidade do estudo é melhor do que a quantidade de horas estudadas por dia”, destaca o coach em concursos públicos Charles Peterson.
Prática Fazer exercícios periódicos é uma excelente técnica de memorização. Douglas aconselha a resolver questões de provas anteriores, de preferência da mesma empresa organizadora. “Com isso, o aluno pega a mecânica. A Cesp, por exemplo, tem o seu estilo de perguntar. Já a UNB tem outro”. E tão importante quanto fazer os exercícios é corrigi-los.
Entretenimento

Tão importante quanto estudar é reservar um tempo para você. Não adianta estudar até ficar esgotado. Dessa forma, não assimilará bem o conteúdo. Durma pelo menos 6 horas por noite: é quando o cérebro memoriza os conteúdos. Praticar atividade física ajuda a controlar a ansiedade. E não esqueça de uma alimentação saudável.

Fonte: Correio 24hrs


Compartilhe:

Comentários: