Três morrem após exames de ressonância magnética em Campinas

Nesta terça-feira, 29, a Secretaria Municipal de Saúde enviou um comunicado para que todos os hospitais e clínicas da cidade suspendam os exames de ressonância magnética e tomografias com uso de contraste

CAMPINAS – Três pessoas morreram nesta segunda-feira, 28, após realizarem exames de ressonância magnética no hospital Vera Cruz, em Campinas, interior de São Paulo. Nesta terça-feira, 29, a Secretaria Municipal de Saúde enviou um comunicado para que todos os hospitais e clínicas da cidade suspendam os exames de ressonância magnética e tomografias com uso de contraste. A medida valerá até que seja descoberta a causa das mortes.

 
Nessa segunda, a Vigilância em Saúde já havia interditado o setor responsável pelo procedimento no Vera Cruz, que é particular e é uma referência nesses tipos de exame. A vigilância vai investigar, entre outras causas, se o contraste (composto químico utilizado no exame) tem relação com as mortes.
 
As vítimas foram dois homens, de 36 e 39 anos, e uma mulher, de 25 anos. Eles tiveram parada cardiorrespiratória, após fazerem o exame. Dois começaram a passar mal minutos depois do exame e um paciente chegou a deixar a unidade médica, mas retornou a unidade após sentir dores.
 
No dia, mais de 80 pacientes realizaram ressonâncias no Vera Cruz, sem apresentarem problemas. A direção do hospital foi que acionou a polícia e as salas e os materiais utilizados foram lacrados.
 
Uma das vítimas é a administradora de empresa Mayra Cristina Monteiro, de 25 anos, de Campinas. O enterro será às 16h30 de hoje, no Cemitério da Conceição. Morreram também o zelador Manuel Pereira de Souza, 39 anos, que será enterrado na Bahia, em Santa Rita de Cássia, e Pedro Ribeiro Porto Filho, de 36 anos.
 
 Fonte: Estadão
Imagem: Ilustração


Compartilhe:

Comentários: