Universidades Estaduais entram em greve a partir de hoje

A situação também envolve outras instituições como a UEFS (Feira de Santana), UESC (Ilhéus) e UESB (Vitória da Conquista)

A Universidade do Estado da Bahia (Salvador e outros 24 campi) entra em greve na manhã de hoje por tempo indeterminado. A ação foi tomada após assembléia realizada no último dia sete. A situação também envolve outras instituições como a UEFS (Feira de Santana), UESC (Ilhéus) e UESB (Vitória da Conquista). Dentre os motivos que levaram ao movimento estão à falta de infra-estrutura das instituições, o não cumprimento de direitos trabalhistas e a crise financeira, que tem levado até a atrasos em bolsas de auxílio à pesquisa.

“A situação é tão crítica, que o documento que o governo encaminhou, no ponto de promoção e progressão, disseram até que podiam negociar. Aí, na mudança de regime de trabalho, que é um direito nosso garantido, importante para a Universidade, eles disseram que tudo dependia do orçamento. Nesse ponto, especificamente, já disseram que não há nenhuma possibilidade de mudança no exercício atual. Na segunda-feira, nos chamaram para uma última reunião, sendo que não houve avanço algum na pauta. Apenas informaram que não havia dinheiro para aumentar o orçamento da Universidade”, relatou a Diretora da Associação dos Docentes da UNEB (Aduneb), Daniela Santos.

Por conta da falta de recursos, segundo a Associação, docentes e técnicos estariam sofrendo com o déficit no quadro de vagas. Além disso, há faltam equipamentos nos laboratórios e materiais didáticos, atrasos em bolsas de auxílio à pesquisa, entre outros. Outra queixa é com relação ao não cumprimento de direitos trabalhistas que estão garantidos em lei. De acordo com Daniela, o governo estaria tentando negociar esse item.

“Hoje, nós temos colegas que tem dois anos em uma lista esperando por um direito eles tem, de acordo com o Estatuto do Magistério. Ainda assim, o Governo veio nos propor negociar esses itens. Dissemos a eles que não iríamos fazê-lo, já que está garantido. O que nós queremos é um avanço concreto e efetivo na pauta de reivindicações”, narrou. Ainda de acordo com a Aduneb, o estado cortou cerca de R$ 19 milhões, nos últimos dois anos, nos setores de custeio e investimento. Também reivindicam 7% da Receita Líquida de Impostos (RLI) para o orçamento das Universidades.

Governo garante orçamento maior em 2015

Procurada pela equipe da Tribuna da Bahia, a Secretaria Estadual de Educação (SEC) se posicionou através de uma nota enviada pela sua assessoria de comunicação. Nela, o órgão informou que, além da reunião que aconteceu na última segunda-feira, um novo encontro foi marcado para a próxima terça-feira, dia 19, na sede da Secretaria, que fica no Centro Administrativo.

O comunicado ainda ratifica que o orçamento das universidades estaduais em 2015 teve um aumento de 10,3%, ultrapassando o valor de R$ 1,12 bilhões. Além disso, o governo já havia atendido algumas reivindicações da pauta dos docentes como: assegurar as promoções e progressões que estavam na Secretaria de Administração para pagamento em folha no mês de maio; autorizar a contratação de professores substitutos, baseado no cronograma apresentado pelas universidades; e estar elaborando a minuta do projeto de alteração do quadro de vagas do magistério.

Servidores 
Além dos docentes das universidades estaduais, os servidores dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) também estão em greve, que já dura cerca de um mês. A situação atinge os 30 mil alunos da entidade, que engloba, além do campus de Salvador, os outros 15 campi espalhados pelo estado. De acordo com o Sindicato que representa os servidores do Instituto, as principais reivindicações são a manutenção da jornada de trabalho de 30 horas para os Técnicos-Administrativos (TAEs), implementação da resolução número 46 – que rege a carga horária dos docentes – e a não implantação do Ponto Eletrônico.

Em nota, o IFBA informou que está empenhado na construção do diálogo entre os servidores da comunidade. Uma reunião foi realizada, na última sexta-feira, entre o reitor Renato da Anunciação e os setores da Reitoria, na tentativa de se chegar a um objetivo. Na tarde de ontem, um novo encontro aconteceu entre representantes da Reitoria, dos campi e do comando de greve.

Fonte: Tribuna da Bahia


Compartilhe:

Comentários: