Uso abusivo de celular pode causar mal à coluna; saiba mais

Muitas são as pessoas que ficam horas entretidas olhando as publicações no Twitter, Instagram e Facebook. A verdade é que, hoje, o celular é praticamente o melhor amigo do homem. Atividades que costumavam ser realizadas através do computador passaram a ser feitas pelos smartphones ou tablets. Na fila do pão, na escada rolante, no banco da praça, no ponto de ônibus, o celular não fica de lado nem na hora de comer.

Mas, é preciso ter cuidado! Ficar de olho na tela do celular por muito tempo pode causar sérios prejuízos para o organismo e provocar lesões nas mãos, punhos, braços, ombros e, principalmente, à coluna.

A falta de descanso somada às posições impróprias tem consequências silenciosas no organismo e, em alguns casos, podem até exigir intervenção cirúrgica. De acordo com o coordenador da Ortopedia do Hospital ProHope, Luis Felipe Daneu Fernandes, quem faz uso demasiado do celular acaba se queixando de dores no corpo.

“A utilização cada vez maior e mais precoce de smartphones e tablets vem acompanhada do aumento de pessoas com queixas ortopédicas. Principalmente na coluna cervical – pescoço – e tórax, mas também em ombros punhos e mãos. Alterações posturais levam, inicialmente, a processos dolorosos em região cervical, devido ao posicionamento com pescoço fletido. Com o passar do tempo, toda a musculatura de sustentação entra em espasmo, e encurta”, explicou o ortopedista.

Segundo ele, em um indivíduo que ainda está em formação, essa postura viciosa pode leva a um desequilíbrio e alterações compensatórias em toda coluna. “Nos adultos, com decorrer do tempo, começam a surgir desgastes como discopatia e artrose”, esclarece Luis Felipe.
Uma pesquisa feita pelo médico Kenneth Hansraj, cirurgião e especialista em coluna cervical, aponta que o uso constante e abusivo do celular leva a uma constante má postura, a qual pode contribuir para um peso extra de 27 kg sobre o seu pescoço. O que corresponde, em média, ao de uma criança de oito anos sobre sua coluna cervical.

Para chegar a este resultado, Hansraj criou um modelo em computador da coluna espinhal para testar os efeitos dos movimentos da cabeça, que pesa de 4 kg a 5 kg sobre a coluna. O simples ato de abaixá-la para responder mensagens ou conferir atualizações pode ter um efeito bastante nocivo, segundo a análise do médico.

Ainda de acordo com o autor da pesquisa, além do uso das redes sociais, as pessoas passam de duas a quatro horas por dia com a cabeça apontada para baixo, seja lendo textos ou utilizando aparelhos eletrônicos. Em apenas um ano, o pescoço recebe um peso extra de 700 a 1.400 horas.

A recomendação do ortopedista Luis Felipe é uma avaliação ortopédica. Feito isso, o indivíduo será submetido a uma fisioterapia convencional, ou até mesmo a uma Reeducação Postural Global (RPG). “A recomendação é atividade física regular para condicionar a musculatura, além de observar postura”, concluiu. Ao aparecimento de qualquer sintoma, o ideal é procurar um médico.

Jovens não param de olhar 

Apesar dos problemas que o uso abusivo do celular pode causar, jovens admitem que não conseguem parar de olhar constantemente para o aparelho. Para muitos deles, esse é o melhor jeito de ficar bem informado e de se comunicar com outras pessoas.

A universitária Ive Oliveira, 21, admite que nunca parou para pensar que ficar com o pescoço abaixado para olhar o smartphone poderia causar danos à saúde. “Nunca parei para pensar nisso. O vício já é maior que tudo, mas acho que para evitar um problema futuro maior vale a pena tentar reduzir essa ação”, disse. “Acho que não deve causar nada tão grave. Hoje não dá mais para parar, meu vício é maior”, contou Natalia Mascarenhas, 19.

Para o adolescente Thiago Meirelles, 16, o celular é seu secretário. “Hoje não dá pra ficar sem celular. Datas comemorativas, reunião de trabalho, hora pra acordar. Só lembro-me dessas coisas por causa dele. O despertador, então, é fundamental para não se atrasar para o colégio. Conversa rápida com os pais, com os amigos. O celular acaba te proporcionando tudo isso. Então é inevitável não ficar o tempo todo de olho nele”, explicou, mesmo sabendo das consequências nocivas que o hábito pode provocar.

Fonte: Tribuna da Bahia


Compartilhe:

Comentários: