Vacinação contra febre aftosa atinge 92% do rebanho bovino na Bahia

A Bahia continua livre da febre aftosa

A Bahia continua livre da febre aftosa

 A segunda etapa de vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa, de 2012, atingiu a marca de 92,89% de animais na Bahia, conforme dados da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura (Seagri).

Apesar do longo período de seca, onde a mortandade de animais foi significativa, a Adab informou que o estado continua livre da febre aftosa.

O resultado divulgado nessa terça-feira (5/2) pela Seagri/Adab mostra que os municípios que integram a zona de proteção são: Barreiras (97,19%), Itapetinga (96,78%) e Teixeira de Freitas (96,74%). O índice de vacinação alcançou a marca de 94,83%, de 268.388 mil bovinos e bubalinos existentes, superando as expectativas do setor.

Para o secretário de Agricultura do Estado, Eduardo Salles, as atividades para garantir a sanidade do rebanho baiano são desenvolvidas durante todo o ano e hoje os criadores já entendem a defesa agropecuária como uma política pública. “Por isso, as nossas ações, aliadas ao processo de modernização da pecuária, estão dando resultados positivos e superando os desafios do setor”, afirma Salles.

A segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa de 2012 foi oficialmente encerrada na Bahia no dia 31 de dezembro, com a declaração obrigatória dos rebanhos até 15 de janeiro deste ano.

“Os produtores pertencentes aos municípios atingidos pela seca que não conseguiram vacinar seus animais no período oficial da campanha, por falta de condições nutricionais mínimas, não sofreram sanções administrativas, podendo ainda solicitar uma vacinação junto à Adab”, afirma o coordenador do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa, Antônio Lemos Maia, lembrando que, nas demais regiões, o produtor que não vacinou e/ou não declarou deve procurar o escritório da Adab mais próximo para regularizar a situação.

Educação sanitária

Com a presença prolongada da seca na Bahia, ações de educação sanitária foram adotadas para amenizar os prejuízos para os produtores e para a pecuária baiana. “Os intensos trabalhos em todo o território baiano, promovendo medidas de conscientização dos produtores, contribuíram positivamente para colocar a Bahia em posição de destaque no cenário agropecuário nacional”, avalia o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (Faeb), João Martins.

De acordo com o diretor geral da Adab, Paulo Emílio Torres, esses números foram resultado do esforço conjunto de criadores, associações, sindicatos, Governo Estadual, Federação da Agricultura do Estado da Bahia, Superintendência Federal da Agricultura na Bahia/Mapa, compartilhando ações e incentivando o aprimoramento das atividades de defesa na Bahia.

“O Estado está trabalhando em conjunto com o Governo Federal em prol de um objetivo maior de alcançar o status de Livre de Febre Aftosa sem vacinação em todo o território brasileiro” enfatiza Torres.

Para o diretor de Defesa Animal da Adab, Rui Leal, mesmo diante da situação de emergência vivida por 262 municípios afetados pela seca, o resultado da vacinação nos deixa bem acima dos 90% exigidos pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) para estados livres de febre aftosa com vacinação. 

Fonte: Tribuna da Bahia

 


Compartilhe:

Comentários: