Varejo baiano cresceu 4,6% em outubro

O comércio varejista da Bahia registrou expansão de 4,6% nas vendas em outubro, na comparação com outubro de 2012. A expansão no ritmo das vendas no varejo baiano é atribuída à comemoração dos festejos dos dias das crianças.

No aspecto positivo, observa-se que o segmento de Combustíveis e lubrificantes após registrar em doze meses consecutivos variações negativas, apresentou nesse mês de outubro a taxa de 5,4% em relação a igual mês do ano passado (-5,6%).

No varejo nacional a taxa foi positiva em 5,3%, considerando a mesma base de comparação. Na análise sazonal, o varejo na Bahia registrou crescimento de 0,2%, inferior à taxa de setembro (0,4%).

As informações são da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia da Secretaria do Planejamento (SEPLAN).

Em outubro de 2013, os dados do comércio varejista do estado da Bahia, quando comparados a outubro de 2012, revelam que sete de um total de oito ramos que compõem o Indicador do Volume de Vendas apresentaram resultados positivos.

Em ordem decrescente temos : Livros, jornais, revistas e papelaria (22,5%); Móveis e eletrodomésticos (15,2%); Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (8,6%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (7,4%); Combustíveis e lubrificantes (5,4%); Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,8%) e Tecidos, vestuário e calçados (1,1%).

Quando observado o segmento Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação constata-se taxa negativa de 25,6%. Para os subgrupos de Super e hipermercados, de Móveis, e de Eletrodomésticos os resultados apurados foram positivos em 3,4%, 10,2% e 19,7%, respectivamente.

Ampliação no setor de Móveis e Eletrodomésticos é destaque

Na Bahia, o comportamento das vendas no mês de outubro para o comércio varejista restrito foi determinado pelos segmentos de Móveis e eletrodomésticos, Combustíveis e lubrificantes e Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo.

 Em contrapartida, o segmento de Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação ao intensificar o ritmo de queda contribuiu para amenizar o crescimento registrado pelo setor nesse mês.

A expansão de 15,2% registrada para o segmento de Móveis e eletrodomésticos o posiciona como o principal impulsionador dos negócios, nesse mês, para o varejo baiano.

A política de incentivo do governo ao consumo, através da manutenção de alíquotas de IPI reduzidas para os produtos comercializados nesse ramo, bem como o programa Minha Casa Melhor, continuam justificando esse comportamento.

Fonte: Tribuna da Bahia

Imagem: ilustração


Compartilhe:

Comentários: