Vítimas de violência evitam dar queixa

Há violências que acontecem constantemente, mas são invisíveis aos olhos da sociedade. As pessoas com deficiência física são vítimas dessa invisibilidade. Simplesmente não existem números sobre a violência contra eles, nem em Salvador, nem na Bahia, nem no Brasil. Segundo a assessoria da Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, com sede em Brasília, os dados não existem porque as vítimas não fazem boletins de ocorrência. Os motivos vão desde a falta de autonomia até a falta de acessibilidade para chegar a uma delegacia, passando pela falta de preparo de policiais para lidar com o assunto. Mas já se sabe que em muitos casos a violência ocorre na própria casa da vítima.

De acordo com a presidente da Associação Baiana de Deficientes Físicos (Abadef), Luiza Câmara, muitas vítimas têm vergonha de denunciar as agressões. “São como as mulheres que sofrem violência doméstica. Para denunciar, elas têm de superar a vergonha e o medo da reação do denunciado, que muitas vezes vive na mesma casa”, explica. “Mesmo vencendo esse obstáculo, ela terá que superar outros”, acrescenta.

Segundo o presidente da Comissão Municipal de Direitos da Pessoa com Deficiência de Lauro de Freitas, Vanderlino Souza, nem Salvador nem Lauro de Freitas têm delegacias em que se pode chegar de cadeira de rodas. “Já ouvi reclamação de muitos deficientes. Eu mesmo, ao ir com um amigo fazer um boletim de ocorrência (B.O), em Salvador, encontrei uma escada no caminho”, disse, lembrando que em casos como esses o deficiente tem que contar com a ajuda de alguém para ser carregado. “Isso tira o ânimo das pessoas em prestar queixa na polícia”, acrescenta.

Luiz Câmara ressalta que mesmo chegando ao balcão de atendimento de uma delegacia é possível que o deficiente não consiga fazer o B.O. “Se for mudo, por exemplo, certamente a pessoa não encontrará nenhum agente que entenda Libras, a língua brasileira de sinais”. Ele lembra ainda que são muitos os tipos de deficiências e algumas delas, como as “intelectuais”, em que a pessoa é portadora de problemas mentais, são as que tornam as pessoas menos capazes de se defender e de procurar ajuda.

Violências

Luiza Câmara explica, no entanto, que a questão da violência contra a pessoa com deficiência é mais complexa que se imagina. Primeiro, segundo ela, está o problema da caracterização da violência.

“Existem vários tipos e a física é apenas uma delas. Eu já vi surdos serem agredidos verbalmente. Os agressores acreditam que eles não escutam, e podem até não escutar, mas as pessoas em volta estão vendo, isso fere a dignidade”, exemplificou.

Ela ressalta que há violência que são visíveis e audíveis, mas há outras mais sutis.  “Algumas são praticadas com um olhar. Eu já passei por isso muitas vezes. Olham para a gente como se fôssemos algo a ser rejeitado, só porque andamos de cadeira de rodas. Já vi mães pegar na mão de filhos e sair apressada ao abrir o elevador e ver uma pessoa deficiente. Isso é uma violência”, explica.

A presidente da Abadef informa ainda que nem mesmo na associação essas denúncias chegam com frequência. “A gente sabe pelas conversas que elas existem e são mais comuns que pensamos, mas são poucos os casos que chegam à associação”. Um dos casos que chegou à Abadef  demonstra que se as denúncias fossem feitas, a situação dos portadores de deficiência poderia ser outra.

Luiza Câmara conta que uma jovem com sequelas de poliomielite trabalhava numa “empresa de refrigerantes”, em Salvador, e sofreu assedio sexual durante muito tempo de um dos diretores. Insatisfeito com a rejeição da jovem, o diretor ainda a humilhou na presença de outros homens dizendo que eles deveriam tentar alguma coisa com ela, mas avisava que ele não conseguira ainda. “Ela foi demitida. Foi aí que nos procurou. Acionamos o Ministério Público e o caso se reverteu; o diretor acabou demitido”, conta. “É uma pena que são casos raros”, acrescenta.

Responsabilidades do Estado

Para Vanderlino Souza existe também a violência do próprio estado. “Ao deixar as ruas sem acessibilidade para aqueles que têm deficiência o estado está praticando uma violência. Ao não educar as pessoas para lidar com os deficientes, o estado está praticando uma violência, ao não pôr em prática os nossos diretos, entre outras maneiras de excluir o cidadão com deficiência”, disse. Ele ressalta ainda que é na acessibilidade e no uso dos transportes públicos que o deficiente se sente menos acolhido.

Apesar de participar de uma comissão municipal que trata do tema, Vanderlino acredita que o estado pode fazer muito mais pelo portador de deficiência. “É necessário que as instituições sejam provocadas a investir mais recursos não só em dar acessibilidade, mas também em ensinar a população a incluir o deficiente na sociedade”, disse.

Luiza Câmara reconhece que avanços já foram conquistados e que há um caminho ainda a percorrer, principalmente em relação ao conhecimento sobre os deficientes em Salvador e no Brasil. Mas sobre isso ela tem uma boa notícia.  “Temos uma parceria com a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, através da Superintendência de Direitos da Pessoa com Deficiência, desde 2004. E nesse momento estamos trabalhando num projeto que busca coletar dados sobre as pessoas com deficiência em Salvador e na Bahia”.

Fonte: Tribuna da Bahia
Imagem: Ilustração


Compartilhe:

Comentários: