Cooperativas de crédito investem no mercado econômico de Barreiras

Abertura de novas agências do Sicredi e do Siccob demonstram a aceitação do cooperativismo de crédito, pela população.


Ivana Dias

Em Barreiras, o cooperativismo de crédito demonstra grande potencial de desenvolvimento social e econômico, o que possibilita a realização de novos investimentos no município por instituições financeiras, a exemplo do Sistema de Crédito Cooperativo – Sicredi e do Sistema de Cooperativas Financeiras do Brasil – Siccob.

Já está autorizada a abertura da segunda agência do Sicredi no bairro Barreirinhas. Segundo o gerente de Barreiras, Maxsuel dos Santos, a obra começa ainda nesse mês e a previsão de entrega será daqui a seis meses. O Sicredi já está na região Oeste da Bahia há mais de dez anos com a primeira agência em Luís Eduardo Magalhães.  Em Barreiras a instituição financeira começou a funcionar em julho de 2018, tendo a inauguração oficial realizada em novembro de 2019, quando foi necessário aumentar de três para 30, o número de colaboradores.

Para Maxsuel, a quantidade de pessoas na agência reflete o tamanho do negócio dentro da cidade. “A comunidade entendeu o nosso propósito desde a primeira vez que iniciamos aqui com o escritório de negócios e tivemos um crescimento acentuado bem acima da média nacional”, disse o gerente.

Maxsuel dos Santos – Gerente da agência Sicredi de Barreiras.

 

A proposta cooperativista de crédito é considerada um diferencial bastante atrativo pelas instituições do ramo, além de ser um fator positivo na avaliação do gerente do Sicredi, referente aos dois anos de atuação no município. “Barreiras tinha a necessidade de ter uma instituição financeira que levasse uma experiência e um relacionamento diferente. A cooperativa chegou como uma inovação que agregou valores de sociedade mais justa e igualitária. Conseguimos trazer isso através de nossas ações e isso fez a diferença, para que o Sicredi abrisse as portas ao cooperativismo na região”, pontuou Maxsuel dos Santos.

De acordo com o líder cooperativista e presidente do Sistema OCEB/SESCOOP, Cergio Tecchio, a presença de cooperativas em uma localidade ajudam a melhorar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e a reduzir a desigualdade. Além da contribuição direta no fortalecimento do PIB do município, “na última pesquisa foi demostrado que até 5% do PIB das cidades que tem agência do Sicredi, corresponde à contribuição do Sicredi. Porque esse recurso financeiro que os outros bancos levam pra fora da cidade, o Sicredi movimenta aqui dentro. Só esse ano estamos prevendo a entrega de 12 milhões de retorno para nossa comunidade”, afirmou Maxsuel dos Santos.

 

Sicredi no Dia de Cooperar – inciativa de responsabilidade social na comunidade barreirense.

Ao contrário do que muita gente pensa, as cooperativas de crédito trabalham com diversos segmentos desde o agronegócio à pessoa física e jurídica, sendo o associado Pessoa Jurídica em maior número na agência Sicredi de Barreiras o que favorece consideravelmente o comércio local e regional. “O associado Pessoa Jurídica tem papel essencial na agência de Barreiras. Atendemos todo o comércio de Barreiras seja pequeno, médio ou grande, com soluções que são diferenciais, porque somos balizadores do crédito na economia, quando chegamos muitas instituições tiveram que se adequar as nossas ofertas”, concluiu.

Sicoob

Equipe de colaboradores da agência Sicoob Barreiras.

A cooperativa financeira Siccob é a mais antiga do estado do Goiás e também foi atraída pelo potencial de desenvolvimento econômico de Barreiras, abriu sua primeira agência no município e já está em funcionamento. De acordo com gerente, Iratan Alves dos Santos, a inauguração oficial aconteceria no dia 25 de fevereiro, mas por motivo de segurança devido ao número do aumento de casos da Covid-19, principalmente na Bahia, o evento foi adiado.

“Entendemos que Barreiras é o centro de um polo econômico. É a principal cidade do Oeste da Bahia, por isso é conhecida por Capital do Oeste. Concentra mais de 30 municípios e tem economia pulsante. Esses são alguns dos fatores que nos atraiu. Viemos pra cá e pretendemos expandir pra outras cidades”, disse o gerente que ressaltou ainda, sobre os atendimentos. “Ainda não remarcamos a data para a inauguração, porém todas as nossas instalações já estão funcionando, já estamos recepcionando nossos sócios e atendendo com nosso portfólio de produtos completo para o produtor rural, pessoa física e pessoa jurídica, enfim, todos os seguimentos do mercado”.

O incentivo por meio de políticas públicas para o setor de cooperativas de crédito é um fator considerado positivo para a expansão e fortalecimento das atividades desenvolvidas pelo cooperativismo, principalmente em cidades de médio e pequeno porte. O que não implica apenas a capacidade de reter e reinvestir uma porção significativa do excedente gerado, mas também de internalizar o próprio crescimento, como o retorno dos lucros para a comunidade e a utilização da mão de obra local, que promovem o desenvolvimento sustentável da comunidade.

Iratan Alves dos Santos – Gerente da agência Sicoob de Barreiras.

“Tivemos cem por cento de apoio do governo municipal, um grande parceiro da nossa vinda pra cá. A participação das entidades públicas também é bastante importante para que o processo de parcerias no desenvolvimento do cooperativismo aconteça. Se analisarmos o ano de 2020, foi um ano difícil de pandemia, muitas instituições fechando agências, reduzindo custo, mão de obra e as cooperativas de crédito andaram na contramão desse mercado, abriram muitas agências e Barreiras é um exemplo, contrataram muita mão de obra local e cresceu muito, mesmo em momento de crise”, frisou  o gerente Iratan.

Em tempo de pandemia muitas adaptações foram feitas para manter a qualidade e eficiência dos atendimentos nas cooperativas financeiras e a utilização da tecnologia foi uma das alternativas que se sobressaíram. No final de 2020, o Sicoob ganhou o Prêmio de Inovação Tecnológica de Qualidade nos canais digitais, principalmente referente aos aplicativos que facilitam o associado ter acesso aos produtos financeiros.

“Todo o sistema de mercado teve que ser readaptado à nova realidade, a transformação digital é um caminho sem volta e cada vez mais surge novas tecnologias. O ponto forte e diferente da nossa cooperativa é o sistema de plataformas digitais, porém não deixamos de fazer o atendimento presencial. Entendemos que a transformação digital tem que ser um equilíbrio entre o atendimento físico e presencial – se manter próximo do cliente com a conversa com o gerente”, concluiu Iratan.


Compartilhe:

Comentários: