Desvendado o mistério Poliana Vieira?

Jayme Modesto

Nos últimos anos, o termo fake news apareceu com muito mais frequência em sites e redes sociais. A maior parte das histórias é criada para atrair audiência e obter cliques, consequentemente aumentando a receita com anúncios. As falsas notícias também são usadas para defender os interesses próprios e até para desconstruir a imagem de políticos e gestores.

O principal problema nesse caso é que muitas vezes as pessoas acreditam estar fazendo uma coisa boa. Estão passando adiante uma informação que vai ajudar ou proteger alguém. Ou gerar uma recompensa. Mas é justamente essa a intenção de quem constrói o boato. Ele é feito para parecer algo revoltante ou extremamente convidativo, de forma que o leitor compartilhe logo, sem reflexão, sem pensar se aquela informação faz mesmo sentido.

A questão mais séria em relação às falsas notícias é que elas podem afetar seriamente a vida das pessoas. Em um nível mais elementar, o boato pode ajudar a reforçar um pensamento errôneo. Afinal, mesmo que seja uma tese real, ela não pode se basear em uma mentira.  Em um nível mais elevado, pode destruir uma reputação e prejudicar alguém. E, pior ainda, pode acarretar em uma tragédia como no caso de pessoas acusadas de crime que não cometeram ou de tratamentos de saúde que não funcionam.

Em Barreiras surgiu um perfil falso, denominado de “Poliana Vieira”, onde alguém escondeu atrás de um pseudônimo para fazer oposição ao executivo municipal e ao legislativo, difamando inclusive vários parlamentares.

Vereadores e também o executivo registraram queixas na polícia cobrando uma investigação a respeito do assunto, evidentemente que a polícia acionou o Facebook que logo conseguiu identificar através dos dados do perfil falso, quem supostamente estava por traz deste Fake News.

De acordo com a nota da assessoria da polícia, o Serviço de Investigação (SI) da 11ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin), de Barreiras, identificou, após três meses de trabalho investigativo, Fábio Araújo Novais como o responsável pela prática dos crimes de calúnia, difamação e injúria, por meio de um perfil falso em uma rede social. De acordo com o delegado Filipe Madureira, responsável pela investigação, após denúncias registradas pelas vítimas, foi instaurado um inquérito para apurar a autoria dos crimes cometidos contra elas por meio da rede social. “Chegamos ao autor dos delitos pelo cruzamento de dados das linhas telefônicas vinculadas ao perfil falso”, explicou o delegado.

Após a divulgação, o suposto acusado se manifestou contra a denúncia e garante não ter nada haver com o perfil falso e que já está tomando as devidas providencias. “Os meus advogados já estão adotando todas as providências legais contra essa nota errônea e tendenciosa da assessoria de imprensa da Polícia Civil da Bahia, vez que nada tenho a ver com essa denúncia sobre perfil falso em Facebook”, disse o acusado.

Nota da Polícia Civil da Bahia

Polícia identifica homem que cometia crimes na internet

O Serviço de Investigação (SI) da 11ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin), de Barreiras, identificou, após três meses de trabalho investigativo, Fábio Araújo Novais como o responsável pela prática dos crimes de calúnia, difamação e injúria, por meio de um perfil falso em uma rede social.

De acordo com o delegado Filipe Madureira, responsável pela investigação, após denúncias registradas pelas vítimas, foi instaurado um inquérito para apurar a autoria dos crimes cometidos contra elas por meio da rede social.

“Chegamos ao autor dos delitos pelo cruzamento de dados das linhas telefônicas vinculadas ao perfil falso”, explicou o delegado.
Durante o interrogatório, Fábio assumiu que os telefones eram dele, mas negou que acessava o perfil. Ele será indiciado pelos crimes de calúnia, difamação e injúria. A conta na rede social estava sendo utilizada há três anos, para práticas de crimes contra diversas pessoas da cidade de Barreiras, principalmente agentes públicos.

O delegado ainda esclarece que os crimes cometidos por meio da internet podem ser solucionados. “Há mecanismos legais atuais que permitem e facilitam o trabalho dos investigadores, servindo também de alerta para aqueles que pensam em se esconder por um perfil falso, visando a impunidade”, comentou Filipe.

Ascom-PC/ Daza Moreira

Resposta do acusado

Solicito um minuto da atenção de vocês caros amigos e população em geral, para informar a inconsistência dessa denúncia em que hoje estão atribuindo a mim.

Os meus advogados já estão adotando todas as providências legais contra essa nota errônea e tendenciosa da assessoria de imprensa da Polícia Civil da Bahia, vez que nada tenho a ver com essa denúncia sobre perfil falso em Facebook. De modo que provarei a minha absoluta inocência e irei buscar na justiça a reparação devida aos danos que estou sofrendo em função dessa falsa acusação.

Araújo Novais – Binha Novais


Compartilhe:

Comentários: