Fórum apresenta os avanços e as dificuldades para o desenvolvimento do Matopiba

DSC_0788

Ascom Bahia Farm Show

Infraestrutura, logística, irrigação e biotecnologia foram os principais temas abordados no Fórum “Matopiba: potencialidades e desafios”. O debate foi realizado no dia 24 de maio, no auditório da Fundação Bahia, e abriu a programação técnica da Bahia Farm Show 2016.

Participaram do Fórum, o presidente da Bahia Farm Show e da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Júlio Cézar Busato; o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), João Carlos Jacobsen Rodrigues; o presidente da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), Celestino Zanella; o chefe do setor de Pesquisa e Desenvolvimento da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); o secretário de Agricultura do Estado, Vitor Bonfim e o ex-secretário de política agrícola do Ministério da Agricultura, André Nassar.

Durante o encontro, transmitido ao vivo pelo Canal Rural e apresentado pelo jornalista Márcio Fernandes, os especialistas explicaram as características produtivas do Matopiba e falaram sobre as principais dificuldades para a expansão da produção regional.

O presidente da Aiba destacou que a região vem apresentando um crescimento acelerado que não está sendo acompanhado pelo desenvolvimento da infraestrutura local. “Precisamos de portos. Este ano, por exemplo, se não houvesse uma queda na safra por conta da seca, não conseguiríamos exportar devido à falta de logística”, pontuou. Busato afirmou que hoje se produz em 2,2 milhões de hectares no Oeste da Bahia e outros 2,5 milhões serão incorporados futuramente. Outra característica promissora para ele é a irrigação, que hoje abrange cerca de 122 mil hectares de área produtiva. “Precisamos montar um sistema em que não falte água nem para o produtor, nem para a população e também investir em energias renováveis”, destacou.

André Nassar salientou que “para justificar os investimentos em infraestrutura e logística na região, é necessária a ampliação dos hectares irrigados. Isso vai estimular a atração dos investimentos que o Matopiba precisa para crescer ainda mais”, justificou.

O presidente da Abapa disse que a instituição vem atuando em diversas frentes, inclusive investido em monitoramento para mensurar as potencialidades do aquífero Urucuia. “Temos analisado a fibra do algodão produzido na região, feito parcerias com as prefeituras para recuperar as estradas locais, além da entrega de kits de irrigação para os pequenos agricultores. Tudo sendo pensado para melhorar a qualidade da fibra e reduzir os custos”, relatou.

Zanella explicou ainda que o momento é de transição devido ao avanço da tecnologia e que é preciso se investir em biotecnologia aliada a outras ações. Sobre esse assunto, o presidente da Abrapa, João Carlos Jacobsen, esclareceu que a biotecnologia de forma isolada, apesar de resolver muitos problemas da lavoura, não elimina algumas pragas secundárias.

Já o representante da Embrapa informou que a Embrapa tem 27 centros de pesquisa com quase mil profissionais trabalhando exclusivamente sobre a região do Matopiba, em áreas de estudo que vão desde a genética até a irrigação, um dos pontos fortes do local. “Esse setor de Inteligência Territorial que está em desenvolvimento é um programa específico que pretende definir o que é o Matopiba, através do mapeamento completo da região”, esclareceu.

Após as apresentações, tanto o público que assistiu o fórum no local, quanto os telespectadores, puderam enviar perguntas para serem respondidas pelos participantes. Entre as perguntas, houve um questionamento sobre a existência de algum fundo de investimento do poder público para o Matopiba. Júlio Busato respondeu, explicando que “não existe um fundo específico, mas as parcerias entre as instituições privadas e o governo do estado são importantes para garantir financiamentos junto ao Banco Mundial, por exemplo, já que só na região são mais de 7mil km de estradas que precisam ser mantidas”.

Representando o governador da Bahia, o secretário estadual da Agricultura, Vitor Bonfim ponderou que a capacidade de investimento do país está reduzida e na Bahia não é diferente. “O governador foi à China, conseguir investimentos para retomar as obras da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e a construção de novos portos, o que irá beneficiar e muito a região do Matopiba”.

Todos os convidados deixaram claro o potencial de crescimento produtivo da região, principalmente em relação à irrigação e as tecnologias utilizadas, que fizeram com que o Matopiba se tornasse uma referência nacional, mas também concordaram que a infraestrutura e a logística precisam ser revistas para que esse avanço aconteça.

A Bahia Farm Show que acontece no município de Luís Eduardo Magalhães de 24 a 28 de maio, é uma realização da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), do Instituto Aiba (IAiba) e da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), com o patrocínio do Banco do Brasil, Bradesco, Banco do Nordeste, Caixa Econômica Federal, Coelba, Desenbahia, Prefeitura de Luís Eduardo Magalhães, Santander, Senar/Faeb, Governo do Estado e Governo Federal.


Compartilhe:

Comentários: