Programa Encontro Marcado entrevista o ambientalista Deusdete Santiago

O conhecedor do bioma do cerrado falou sobre a conscientização da preservação das riquezas naturais de nossa região.


Jaime Modesto e Deusdete Santiago no estúdio da TV Câmara.

Jaime Modesto

A preocupação com a natureza ganhou destaque nas últimas décadas, por duas razões: a conscientização que se tornou uma constante e as ameaças que pairam sobre o universo. Ler e ouvir sobre o assunto é uma das maneiras que temos de nos convencer e obter argumentos para persuadir as pessoas a mudarem de atitudes e preservarem o precioso e essencial bem, que é a vida.

Para falar sobre meio ambiente no Programa Encontro Marcado da TV Câmara desta semana convidamos o empresário e ambientalista Deusdete Sousa Santiago.

Conhecedor do bioma do cerrado, Deusdete Santiago falou sobre conscientização da preservação das riquezas naturais de nossa região, em especial da Fundação Mundo Lindo, área privilegiada pela natureza com animais silvestres, veredas e muitas árvores, situada no povoado Extrema na estrada que dá acesso ao Vau da Boa Esperança.

 “Atualmente, se fala muito de meio ambiente, várias leis ambientais foram implementadas, o Ministério Público tem cobrado muito o Poder Público. No entanto, ainda falta muito para a conscientização da população sobre os modos de respeitar a natureza”, pontuou Deusdete Santiago.

 

De acordo com o ambientalista Santiago, a consciência ambiental e cultural é muito difícil de ser trabalhada, junto à geração acima dos 50 anos, a esperança de uma nova cultura e consciência de preservação do meio ambiente está na geração mais jovem.

“Sempre recebo caravanas de alunos de diversas escolas para conhecer a Fundação Mundo Lindo, fico encantado e muito feliz quando uma criança pergunta: ‘Tio posso morar aqui?’”, disse Santiago.

Entre outros assuntos da entrevista, o trabalho do Legislativo Municipal que foi elogiado, em especial, do presidente Eurico Queiroz junto às associações do Val da Boa Esperança. Além da construção de barragens para evitar a erosão e o assoreamento dos rios, políticas mais eficiente para a preservação do meio ambiente, agronegócio com sustentabilidade e as falhas dos entes federativos na política ambiental.


Compartilhe:

Comentários: