Programa Encontro Marcado reprisa entrevista com o escritor Durval Nunes

Em sua participação Durval destacou sobre cultura,  suas obras e a região oeste.


 

Jaime Modesto e Durval Nunes.

Jaime Modesto

Foi com grande tristeza que a equipe do Jornal Gazeta do Oeste e do Programa Encontro Marcado da TV Câmara, recebeu a notícia do falecimento do escritor, membro da Academia Barreirense de Letras e ex-secretário de Meio-Ambiente, Durvalino Vasconcelos Nunes, na última sexta-feira (17), em um trágico acidente automobilístico em Barreiras.

Aos 79 anos, Durval Nunes como era conhecido, deixa quatro filhos, duas netas,  lembranças de sua alegria e muitos registros de sua contribuição para a cultura e o meio ambiente da região.

Em janeiro deste ano, o escritor participou do Programa Encontro Marcado com Jaime Modesto, momento em que falou sobre as dificuldades de  fazer cultura, o despertar para esse segmento, que tornou um dos seus estilos de vida com a escrita e publicação de livros, em especial “Minha cara Mãe Calina”, sua trajetória na ABL.

“Cultura é aquilo que está dentro da gente – ultimamente ela tomou um viés político – que traduz os antepassados, a história e a tradição, mas também que leva conhecimentos novos”, pontuou o escritor Durval Nunes.

Destacou ainda, a menção da região Oeste da Bahia em suas obras, com o intuito de reviver e preservar a cultura regional, assim como inserir a vivência exterior trazida por todos que escolheram Barreiras para viver.

Para relembrar esse momento que ficará entre nossas melhores recordações, assista a entrevista em nosso canal do Youtube – Programa Encontro Marcado.

Links:

Bloco 1:

https://www.youtube.com/watch?v=KcE9NgOBmyo&feature=youtu.be

Bloco 2:

https://www.youtube.com/watch?v=d1F7zqMc3Po

Bloco 3:

https://www.youtube.com/watch?v=Ea5Fjw_3880

 

 

Gravação realizada em Janeiro/2020 no estúdio da TV Câmara.

Sua História

Natural de Itororó (BA), morou durante 40 anos em Barreiras onde plantou muitas árvores, em especial, os ipês amarelos no cais do Rio Grande. Foi engenheiro agrônomo por formação e teve passagens como membro fundador da Academia Barreirense de Letras – ABL (2005) e secretário municipal de Meio Ambiente e Turismo de Barreiras (2005/2008).

Defensor do meio Ambiente, militou ativamente na Associação dos Amigos da Natureza de Barreiras (Amina), foi co-fundador da Associação dos Engenheiros Agrônomos de Barreiras, assessor de Planejamento e Recursos Ambientais de Barreiras (1993/1996) e fundador da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos do Oeste (Caprioeste).

Atuou também como professor em diversas cidades da região e nos últimos anos lecionou em Serra do Ramalho, onde foi um dos responsáveis pela organização da Coopraserra, entidade que presidia no momento.

Poeta, cronista e contista ele deixou seu legado através da atividade literária, exercida com afinco. Em 1989 começou a escrever em periódicos de Barreiras, com alguma incursão no suplemento A Tarde Rural, onde defendia, principalmente, uma das suas paixões, a viabilidade da caprinocultura regional.

Em 2000 participou da antologia “Poemas da Nova Primavera”, organizado pela Fundação Cultural da Bahia, em Salvador. No ano de 2009 lançou o livro de poemas “Sinfonia das Águas”, exaltando as belezas naturais.

No ano de 2011 participou com outros autores do livro “O estado do Rio São Francisco – de Dom Pedro I a Marlan Rocha”. Em 2013 lançou ‘Minha cara mãe Calina’, um livro de crônicas, que posteriormente passaram a ser publicadas em sua coluna no Jornal do São Francisco, aqui de Barreiras. Ano passado ‘Ao Santo Velho Chico’, sua última obra publicada que reuniu contos e uma poesia escrita especialmente para sua neta Júlia, recém nascida na época. Deixou também trabalhos ainda não publicados.

Com informações: Academia Barreirense de Letras – ABL


Compartilhe:

Comentários: